Governo dos Açores disponível para avaliar custos da tripolaridade com universidade da região

Governo dos Açores disponível para avaliar custos da tripolaridade com universidade da região

 

Lusa/AO Online   Regional   27 de Nov de 2014, 12:54

O Governo dos Açores manifestou hoje disponibilidade para avaliar com a universidade da região os custos atuais da chamada tripolaridade e vincou não ser boa ideia usar este apoio como forma de financiamento da academia.

"O Governo [Regional] tem disponibilidade para o discutir e fazer uma análise séria do assunto. O que não me parece ser uma boa ideia é usar o apoio à tripolaridade como uma forma de financiar diretamente a Universidade dos Açores e os seus problemas financeiros. Para isso, temos formas mais bem reprodutivas de financiar a universidade, de a apoiar e de lhe atribuir instrumentos próprios para recorrer a fontes de financiamento independentes", disse o secretário regional da Ciência.

Fausto Brito e Abreu, que falava no plenário do parlamento dos Açores, na Horta, afirmou que o Governo Regional mantém, no Plano e Orçamento da região de 2015, os 350 mil euros de apoio à tripolaridade da universidade (que tem departamentos em três ilhas).

"É o valor que historicamente tem sido usado e historicamente a tripolaridade da Universidade dos Açores terá seguramente evoluído em termos dos seus custos", disse, acrescentando que "há três décadas a universidade teria seguramente custos administrativos muito superiores", uma vez que há hoje tecnologias que permitem, por exemplo, reuniões por teleconferência e manter um serviço administrativo centralizado.

Brito e Abreu vincou que, "contudo, o Governo Regional, através da contratação de estudos científicos, é já o maior cliente da Universidade dos Açores" e "um importante financiador dos seus centros de investigação e de bolsas de doutoramento e pós-doutoramento".

No entanto, dois partidos da oposição, PSD e CDS-PP, criticaram os apoios à universidade contemplados na proposta de Plano e Orçamento dos Açores para 2015, que está a ser debatida esta semana no parlamento regional.

"Trezentos e cinquenta mil euros para a tripolaridade da Universidade dos Açores, que se encontra com problemas de sustentabilidade. Esse montante equivale a dizer que para o Governo a tripolaridade da Universidade dos Açores vale tanto como as Escolinhas do Desporto. O apoio à tripolaridade é uma simpatiazinha", disse Félix Rodrigues, do CDS-PP.

O deputado considerou não ter sentido falar em tecnologias que reduzem custos de funcionamento da universidade quando a academia usa equipamentos informáticos, cuja compra foi financiada pelo executivo, com mais de dez anos.

"A tripolaridade da Universidade dos Açores é uma opção política. E está na génese da sua criação. Infelizmente, esta não parece ser a opinião deste Governo Regional. Por isso, os apoios à tripolaridade da Universidade dos Açores, no plano de investimentos para 2015, continuam insignificantes. Tal como no ano que agora finda. A verba dedicada à tripolaridade da Universidade dos Açores é simplesmente irrisória", disse, por seu turno, António Ventura, do PSD.

Já a bancada do PS lembrou que o Governo dos Açores já por diversas vezes "se substitui" ao executivo da República, que tutela a universidade, mas nem sempre tem respondido às suas necessidades.

Num parecer aos documentos orçamentais dos Açores para 2015, a universidade considerou os apoios que lhe foram destinados aquém da sua contribuição para o desenvolvimento da região autónoma e criticou a "pouca abertura" do secretário regional da Ciência.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.