Política

Governo define apoio às famílias e empresas como novas prioridades

Governo define apoio às famílias e empresas como novas prioridades

 

Lusa/AO online   Regional   31 de Out de 2010, 12:56

O Governo Regional dos Açores vai aprovar hoje as propostas de Plano e Orçamento para 2011, que refletem uma “alteração de prioridades” do executivo para assegurar o apoio às famílias e às empresas mais afetadas pela crise.

“Estes dois grandes blocos de preocupações estão na base da alteração de prioridades”, afirmou o presidente do executivo regional, Carlos César, em declarações aos jornalistas em Ponta Delgada. O Conselho de Governo que reúne esta tarde no Palácio da Conceição vai aprovar as propostas de Plano e Orçamento da Região para 2011, que serão entregues terça feira ao presidente da Assembleia Legislativa Regional. “Reorientamos a despesa pública para compensar as famílias que ficam com mais dificuldades por causa das medidas decretadas pelo Governo da República e as empresas que sofrem dificuldades criadas por essas medidas e pela falta de financiamento da banca”, frisou o presidente do governo açoriano. Carlos César reafirmou que, “se forem confirmadas as indicações de aprovação do OE2011”, o governo regional tem condições para “estabilizar o investimento público e o apoio ao investimento privado”. Nesse sentido, salientou que o investimento público direto no próximo ano ascenderá a 500 milhões de euros, num total de 800 milhões de investimentos previstos para a região. “Pensamos que é possível construir um plano de investimentos públicos na linha de continuidade dos anteriores, ou seja, não haverá uma quebra significativa de investimento publico, o que quer dizer que confio que a economia privada possa dispor dos apoios públicos necessários a que não exista ambiente recessivo nos Açores”, afirmou. O presidente do executivo regional admitiu que os documentos que serão hoje aprovados apresentam diferenças substanciais em relação ao que foi inicialmente apresentado aos partidos políticos e parceiros sociais. “Há uma alteração significativa entre o que foi apresentado aos parceiros sociais e o que será hoje aprovado”, afirmou Carlos César. Estas mudanças resultam, segundo o presidente do executivo regional, da “alteração contínua de alguns dos pressupostos, nomeadamente provenientes do financiamento do OE2011, que fizeram ponderar prioridades que não estavam na primeira linha”. A líder do PSD/Açores, Berta Cabral, também assumiu a melhoria das condições das famílias e das empresas como uma prioridade, defendendo que a “receita acrescida” resultante do aumento de impostos e da redução de salários seja aplicada com esse objetivo. Berta Cabral revelou sábado à noite aos jornalistas que o PSD/Açores vai apresentar propostas nesse sentido no debate do Plano e Orçamento para 2011 que terá lugar na Assembleia Legislativa Regional entre 23 e 26 de novembro. “Essa receita acrescida deverá ser devolvida aos açorianos, ou seja, deverá ser destinada a apoiar a melhoria da situação atual das famílias e das empresas”, afirmou a presidente do PSD/Açores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.