Formado grupo de trabalho para definir serviço público de rádio e televisão nos Açores

Formado grupo de trabalho para definir serviço público de rádio e televisão nos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   31 de Dez de 2011, 10:26

O coordenador do grupo de trabalho criado pela Assembleia Legislativa dos Açores para definir o serviço público de audiovisual na região já escolheu os elementos que faltavam, mas propõe despesas que podem ultrapassar os termos da resolução do parlamento regional.

O jornalista Armando Mendes, o economista Célio Teves e a advogada Maria do Sameiro Gabriel são os “especialistas com reconhecidas competências na área da comunicação social”, como determina a resolução, escolhidos por José Manuel Mendes, que também pretende que o parlamento açoriano contrate um “assistente de investigação”, com um vencimento de 1000 euros mensais.

A resolução aprovada pelo parlamento regional a 30 de Setembro estabelece, no entanto, que a Assembleia Legislativa dos Açores “suportará apenas os custos de funcionamento deste grupo de trabalho”, o que, segundo afirmou à Lusa uma fonte ligada ao processo, não inclui contratações de pessoal.

Numa carta dirigida ao presidente da Assembleia Legislativa dos Açores, Francisco Coelho, a que a Lusa teve acesso, o coordenador do grupo de trabalho informa a identidade dos três especialistas que escolheu, mas acrescenta ser de “crucial importância” a contratação de um assistente de investigação.

Este assistente, que deve ter “formação superior na área da comunicação social”, terá como missão a “recolha sistemática de literatura e documentos com o serviço público junto de entidades internacionais”, mas também a “elaboração de relatórios temáticos e circunstanciados”.

Por outro lado, no que se refere a um dos elementos do grupo de trabalho, o jornalista Armando Mendes, o coordenador propõe que “seja dispensado do serviço que presta na Antena 1 Açores, sem perda de vencimento, e por requisição explícita” do parlamento regional.

Esta situação também pode não estar conforme os termos da resolução aprovada na Assembleia Legislativa, segundo aquela fonte, recordando ainda a importância da contenção de custos nesta altura de crise.

A Assembleia Legislativa dos Açores decidiu no final de Setembro, por maioria, criar este grupo de trabalho na sequência de uma iniciativa apresentada pelo CDS/PP, que recebeu os votos favoráveis do PS e do PSD.

A decisão surgiu depois de ser conhecida a intenção da tutela de reduzir a emissão diária da RTP/Açores a um período de algumas horas ao final do dia, pretendendo o parlamento regional dispor de um “estudo circunstanciado, definindo o conceito de serviço público de audiovisual otimizado às circunstâncias geográficas, culturais, sociais e políticas” dos Açores.

Na carta enviada ao presidente do parlamento regional, o coordenador refere que o grupo de trabalho pode iniciar os trabalhos em Janeiro, desde que estejam reunidas as “condições necessárias ao seu funcionamento”.

O grupo de trabalho, além dos três elementos escolhidos por José Manuel Mendes, contará ainda com a deputada socialista Isabel Rodrigues, que vai assegurar a ligação com o parlamento regional, tendo 90 dias para apresentar as suas conclusões.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.