Forças de segurança vão enviar alerta ao Primeiro Ministro


 

Lusa/Ao On line   Nacional   4 de Nov de 2010, 05:43

Profissionais das forças e serviços de segurança vão aprovar hoje uma moção que alerta o Governo para os problemas que as medidas de austeridade podem causar na segurança pública.

A moção, que será entregue ao primeiro ministro, vai ser aprovada num encontro nacional de dirigentes e delegados dos profissionais das forças e serviços de segurança a decorrer em Lisboa, numa iniciativa da Comissão Coordenadora Permanente (CCP) dos Sindicatos e Associações dos Profissionais das Forças e Serviços de Segurança.

“A moção pretende alertar o primeiro ministro para as medidas de austeridade, que poderão pôr em causa a segurança dos cidadãos. Um Governo não pode deixar que isto aconteça”, disse à agência Lusa o secretário nacional da CCP, de que fazem parte os sindicatos e associações mais representativos do setor da segurança interna.

Paulo Rodrigues adiantou que “se não for alterado o que está previsto no Orçamento de Estado para os serviços e forças de segurança poderão surgir problemas já em 2011 na segurança pública do país".

Segundo o sindicalista, que também preside à Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP), as consequências das medidas de austeridade são ao nível das condições sócio profissionais.

Mas as várias forças e serviços de segurança também serão afetados “porque têm profissionais menos motivados”, o que acaba “por gerar alguns conflitos internos”, sublinhou, sustentando que “em resultado será prejudicada e fragilizada a segurança dos cidadãos”, além de passar a existir “menos qualidade e menos capacidade de resposta”.

Paulo Rodrigues disse também que a CCP quer responsabilizar o primeiro ministro, José Sócrates, por “aquilo que será a segurança pública nos próximos tempos caso não haja uma alteração das medidas previstas”.

Além da monção, que vai conter questões específicas de cada serviço e força de segurança, os profissionais do sector vão também exigir um encontro com José Sócrates antes da Cimeira da NATO, que se realiza a 19 e 20 de novembro, em Lisboa.

Paulo Rodrigues afirmou ainda que “o Governo tem uma grande preocupação com a segurança” de grandes eventos, como o Euro 2004, visita do Papa e Cimeira da NATO, mas "desvaloriza toda a segurança dos cidadãos".

Contra o plano de austeridade, a CCP já decidiu participar na manifestação no sábado e assumir uma "postura mais preventiva do que repressiva" a 24 de novembro, dia da greve geral.

Fazem parte da CCP a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP), Associação Sócio-Profissional da Polícia Marítima (ASPPM), Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF/SEF), Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) e Associação Sindical dos Funcionários da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASF-ASAE).


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.