"Foi um disparate ter diminuído o IVA da restauração"

"Foi um disparate ter diminuído o IVA da restauração"

 

AOnline/LUSA   Economia   8 de Out de 2017, 12:02

O antigo ministro António Bagão Félix considera que a redução do IVA na restauração foi um “disparate”, sem vantagens para os consumidores, e defende que a descida do imposto deveria ter-se aplicado à eletricidade e ao gás.

Em entrevista à Lusa em antecipação do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), que será apresentado pelo Governo na Assembleia da República na sexta-feira, o antigo governante começou por dizer que, em seu entender, não há condições para diminuir a taxa do IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) dos atuais 23% (taxa normal), tendo depois avançado a sua posição sobre a redução do imposto aplicada ao setor da restauração em 2016.

“Acho que foi um disparate ter diminuído o IVA sobre a restauração de 23% para 13%. Os consumidores não ganharam nada com isso. O preço dos restaurantes não diminuiu, da restauração não diminuiu, às vezes até aumentou”, afirmou Bagão Félix.

O antigo titular das pastas das Finanças e do Trabalho refutou o argumento avançado pelos empresários da restauração de aumento do emprego no setor devido a esta alteração: “Dir-me-á: ‘mas também aumentou o emprego na área da restauração’. É verdade, mas não aumentou por isso. Aumentou porque há mais turismo, porque há mais rendimento disponível nas famílias, não necessariamente pela diminuição do IVA”, e propôs “uma troca”.

“Em vez de diminuir o IVA sobre a restauração, que é um bem de consumo que não completamente obrigatório, o que deveria ter diminuído era o IVA sobre a eletricidade e o gás, de 23% para 13%”, sustentou o economista, referindo que a eletricidade é um “bem obrigatório” e que a descida beneficiaria “alargadamente a população portuguesa e a indústria”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.