Festival do Mar Português pretende promover as potencialidades do mar

Festival do Mar Português pretende promover as potencialidades do mar

 

LUSA/AO Online   Nacional   10 de Jun de 2015, 14:59

O "Festival do Mar Português - Mar é Nostrum" está previsto arrancar em julho com iniciativas para promover as potencialidades do mar, informou a organização, referindo que pretende que o evento se realize em todos os municípios portugueses.

João Janes e António Peters são os mentores do festival, que terá uma exposição para mostrar o passado, o presente e o futuro do mar português, uma feira de atividades náuticas e um conjunto de eventos de promoção de desportos náuticos, praticados em água salgada e doce. A apresentação do Festival do Mar Português decorreu ao final do dia de terça-feira, tendo culminado com uma regata "Sails of Lisbon" pelo rio Tejo, em Lisboa, onde participaram cerca de 80 embarcações e que terminou perto das 23:00. Em declarações à Lusa, após a regata, João Janes disse que o objetivo do festival é “promover o mar, as potencialidades do mar, todas as valências que tem”, desde a parte económica, ambiental, recursos marinhos e marítimos, investigação, turismo, náutica desportiva e lazer. “Queremos mostrar ao país, aos portugueses, o que é que temos de riqueza, quer no mar, quer nos próprios pontos de água: rios, ribeiras, albufeiras”, frisou um dos responsáveis pela organização do festival. Segundo João Eanes, é importante explicar aos jovens que há desportos náuticos que podem ser praticados sem ser no mar, mencionando as piscinas como uma boa opção para os concelhos do interior do país. António Peters afirmou à Lusa que o futuro do país passa pela economia do mar, que pode ser capaz de responder à falta de trabalho para os jovens, abrindo possibilidades de emprego de futuro. Para este responsável, é necessário desmitificar o desporto náutico como sendo um desporto de ricos, explicando que os preços são relativamente baixos. De acordo com António Peters, a zona estratégia em que Portugal se encontra, que pode ser a porta de entrada e de saída para a Europa, através do mar, tem que ser melhor explorada. O arranque do festival está previsto para julho, com iniciativas a acontecer de 15 em 15 dias em diferentes concelhos do país, mas, até ao momento, a organização ainda não revela os primeiros concelhos a receber o evento, referindo que pretende chegar a todos os municípios. Em relação ao investimento, não existe um orçamento estipulado, uma vez que todas as iniciativas resultam de parceiras com os municípios, explicaram os mentores do festival.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.