Estação geodésica de Santa Maria com “grande potencial” para desenvolvimento científico

Estação geodésica de Santa Maria com “grande potencial” para desenvolvimento científico

 

Lusa/AO Online   Regional   1 de Ago de 2017, 16:23

O secretário da Ciência e Tecnologia dos Açores afirmou hoje que a estação geodésica de Santa Maria tem um “grande potencial para o desenvolvimento científico e tecnológico regional”, exemplificando no estudo da astronomia ou das placas tectónicas.


Após efetuar uma observação radioastronómica na estação geodésica fundamental de Santa Maria, ilha onde hoje o Governo Regional termina uma visita estatutária, Gui Menezes sublinhou a importância desta infraestrutura.

“Esta observação permite apontar para uma estrela, que é um ponto fixo no universo, e, a partir dos dados que são recolhidos dos tempos de chegada às diferentes antenas, elaborar estudos de geodesia e geodinâmica da Terra”, explicou Gui Menezes.

O governante precisou que, com esses estudos, é depois possível perceber se “as placas tectónicas se estão a afastar ou a aproximar e qual a velocidade a que esses fenómenos estão a ocorrer”.

“Por exemplo, estas antenas permitem também geolocalizar no espaço os satélites que nos dão o nosso posicionamento geográfico que utilizamos nos nossos telemóveis, o GPS, e esta estação contribui para localizar no espaço os satélites, para sabermos exatamente onde eles estão”, adiantou.

A ilha de Santa Maria tem a funcionar desde o ano passado esta estação geodésica e espacial, equipada com a tecnologia mais precisa que existe para medir movimentos de massas terrestres.

A estação geodésica fundamental é uma das quatro infraestruturas que integram a Rede Atlântica de Estações Geodinâmicas e Espaciais (RAEGE) e a segunda que está em funcionamento, depois de Yebes, em Guadalajara, Espanha.

A estação de Santa Maria, equipada com tecnologia de ponta, única no país, inclui um radiotelescópio VLBI (interferometria de base muito longa) de 13 metros de diâmetro capaz de receber um conjunto vasto de dados que outros equipamentos, que integram também a estação, irão processar, tendo aplicações em áreas como a proteção civil, alerta de riscos naturais ou a indústria espacial, entre outros.

Gui Menezes acrescentou que decorrem os procedimentos relacionados com a aquisição de terrenos para instalar na ilha das Flores a segunda estação geodésica no arquipélago.

“Continuamos empenhados em avançar com a estação, faz parte do projeto RAEGE”, garantiu o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia.

Gui Menezes adiantou que em julho foi criada a associação RAEGE, entre o Governo dos Açores e a transportadora aérea açoriana SATA, que vai assegurar a gestão técnica e científica das infraestruturas da RAEGE no arquipélago.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.