Especialista questiona opções de construção de portos nos Açores


 

Lusa/AO Online   Regional   7 de Out de 2015, 14:46

O comandante António Fera, do Departamento de Tecnologias do Mar do Instituto Superior de Ciências da Informação e da Administração (ISCIA-DETMAR), questionou hoje as opções de construção de portos nos Açores, defendendo a necessidade de aperfeiçoar o que existe.

 

Esta alternativa foi advogada por António Fera, a par de um reforço das amarrações das infraestruturas portuárias.

O elemento do ISCIA-DETMAR falava em Ponta Delgada, no âmbito da comissão parlamentar de inquérito da Assembleia Regional à morte de um passageiro na ilha do Pico, em 15 de novembro de 2014, vítima de um cabeço que rebentou. António Fera é apologista de que cada ilha só deve ter um porto com boa qualidade operacional.

Tendo subscrito a opção pela compra dos novos navios por parte da Transmaçor, empresa que garante o transporte marítimo de passageiros inter-ilhas nos Açores, António Fera salvaguardou, contudo, que “se passou de um Fiat para um Renault, mas não para um BMW”.

António Fera, que foi contratado pela Transmaçor para analisar as condições de operacionalidade nos portos da Horta, na ilha do Faial, Madalena e São do Roque, na ilha do Pico, bem como Velas de São Jorge, apesar de apontar que existem condições de segurança que podem ser melhoradas, não considera que o transporte marítimo de passageiros nos Açores seja inseguro.

O especialista salvaguarda, no entanto, a necessidade de aumentar as condições de amarração, sendo que este aumento da segurança deve ser uma preocupação acrescida durante o inverno devido às dificuldades de navegação impostas pelo Atlântico Norte, que em nada são semelhantes ao Mediterrâneo.

Questionado sobre a qualidade dos mestres das embarcações que operam com os navios da Transmaçor, o comandante António Fera declarou que, face ao que observou, ficou “agradavelmente surpreendido”, tendo ressalvado que “não há exageros de maquinaria” por parte daqueles profissionais.

O comandante, que nunca se referiu no âmbito da comissão parlamentar de inquérito ao acidente que vitimou mortalmente um passageiro, considerou que há coisas que “não estão tão bem como deveriam estar”.

Segundo António Fera, a sua correção depende, também, da disponibilidade financeira e de vontade política, havendo que, e uma vez que seria impraticável construir novos portos, reforçar a segurança “dentro dos condicionalismos existentes”.

A comissão parlamentar de inquérito aos transportes marítimos nos Açores deverá ouvir ainda, entre outras individualidades, os anteriores secretários regionais com a tutela dos transportes nos governos regionais, designadamente Duarte Ponte e Vasco Cordeiro, este último atual presidente do executivo açoriano.

Será também ouvido o atual secretário regional dos Transportes, Vítor Fraga.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.