Escolha de Moedas não revela "grande esforço de concertação e conseno"

Escolha de Moedas não revela "grande esforço de concertação e conseno"

 

Lusa/AO Online   Nacional   1 de Ago de 2014, 13:59

O presidente do Governo dos Açores afirmouesta sexta-feira que a escolha de Carlos Moedas para comissário europeu não revela "grande esforço de concertação e consenso", mas desejou que a sua ação possa contribuir para a defesa dos interesses portugueses.

 

“É uma escolha que terá certamente os seus méritos. De entre os méritos dessa escolha não há propriamente, na minha opinião, um grande esforço de concertação e de consenso com um perfil abrangente em termos de representação daquele que é o espectro político e das opções até que nas últimas eleições europeias foram transmitidas pelo eleitorado”, afirmou Vasco Cordeiro, em declarações aos jornalistas.

Carlos Moedas, atual secretário de Estado-adjunto do primeiro-ministro, foi anunciado como o nome escolhido pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, para representar Portugal na Comissão Europeia, integrando a equipa do sucessor de Durão Barroso, o luxemburguês Jean Claude Juncker.

Vasco Cordeiro, que é também o presidente do PS/Açores, manifestou esperança em que a ação do novo comissário português possa “constituir uma forma de sensibilizar o colégio de comissários para a realidade" portuguesa "em geral" e "para a realidade da cada uma das suas componentes, entre as quais o arquipélago dos Açores”.

Moedas foi um dos protagonistas nas negociações com os representantes da 'troika'.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.