Escândalo de Armstrong envia mensagem a todas as modalidades

Escândalo de Armstrong envia mensagem a todas as modalidades

 

Lusa/AO online   Outras modalidades   11 de Out de 2012, 15:34

O piloto australiano de Fórmula 1 Mark Webber, também ele antigo praticante amador de ciclismo, considerou que o escândalo de doping que envolve o norte-americano Lance Armstrong "é uma boa mensagem para todas as modalidades".

A um dia dos primeiros treinos livres para o Grande Prémio da Coreia, 16.ª prova do Mundial de Fórmula 1. Webber, da Red Bull, aceitou comentar aos jornalistas o relatório de 1.000 páginas da Agência Antidopagem dos Estados Unidos (USADA) que justifica a irradiação do ciclista.

“É bom que tentem limpar a sua modalidade e este caso envia uma mensagem a todos os desportos: o que alcançamos na carreira, e como o conseguimos, pode ser sempre alvo de escrutínio”, considerou Webber, atual quinto classificado do Mundial de Fórmula 1.

Webber admitiu que o caso de envolve Lance Armstrong “é dececionante” e que acabou por ser derrubada “a maior árvore da floresta”.

“Sempre fui um grande adepto do ciclismo, mas esse sentimento tem vindo a diminuir nos últimos anos”, reconheceu Webber.

O espanhol Fernando Alonso (Ferrari), líder do Mundial, também aceitou falar deste caso na conferência de imprensa que lançou o Grande Prémio da Coreia, considerando que Armstrong “sempre foi um grande ídolo para muitas pessoas”.

“Eu adoro andar de bicicleta. Apesar de tudo o que aconteceu, Armstrong continua a ser uma grande fonte de inspiração para muitos, apesar de tudo o que aconteceu”, afirmou Alonso.

A USADA garantiu quarta-feira deter provas “esmagadoras” de que Armstrong esteve envolvido no caso de dopagem “mais sofisticado” da história, para ganhar sete edições do Tour.

Em comunicado, a USADA escreveu que a equipa US Postal, ao serviço da qual o norte-americano venceu sete sete edições da Volta a França, um recorde, montou “o programa de dopagem mais sofisticado, profissional e conseguido jamais visto na história do desporto”.

As provas são “esmagadoras” e representam mais de 1.000 páginas, com testemunhos de 26 pessoas, incluindo 15 corredores “com conhecimento das atividades dopantes no seio da US Postal”, precisou o presidente da USADA, Travis T. Tygart.

Entre estes, estão 11 ciclistas que foram colegas do heptavencedor do Tour: Frankie Andreu, Michael Barry, Tom Danielson, Tyler Hamilton, George Hincapie, Floyd Landis, Levi Leipheimer, Stephen Swart, Christian Vande Velde, Jonathan Vaughters e David Zabriskie.

O antigo ciclista optou por não responder às acusações da USADA, sendo automaticamente irradiado pela agência, que lhe retirou todos os resultados a partir de 1998.

No entanto, apenas a União Ciclista Internacional (UCI) tem legitimidade para anular os triunfos do “Boss”, alcunha pela qual era conhecido no pelotão.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.