Enfermeiros especialistas vão avançar para greve de cinco dias


 

Lusa/AO Online   Nacional   14 de Jul de 2017, 07:33

Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia vão fazer uma greve de 31 de julho a 04 de agosto, em protesto contra o não pagamento desta especialização, anunciou hoje o Sindicato dos Enfermeiros.

Em declarações à Lusa, José Azevedo, presidente do Sindicato dos Enfermeiros, disse que os enfermeiros especialistas "vão endurecer as formas de luta, passando de uma greve de zelo para a greve total".

"Vai ser um abandono total dos serviços. Vamos reduzir aquilo aos cuidados mínimos, como a lei impõe", explicou o dirigente sindical, adiantando que o pré-aviso de greve vai ser apresentado pela Federação Nacional dos Sindicatos de Enfermeiros (FENSE) na sexta-feira.

O sindicalista falava à porta da Urgência do Hospital de Aveiro, onde decorreu ao início da noite uma conferência de imprensa para fazer um balanço dos dez dias de protesto do movimento de Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstetrícia (EESMO).

Estes profissionais estão em protesto desde 03 de julho, recusando-se a prestar cuidados diferenciados, uma situação que, segundo Bruno Reis, porta-voz do movimento EESMO, está a afetar 15 Hospitais.

"A vigilância materno-fetal no país está francamente comprometida", vincou Bruno Reis, adiantando que "há serviços sem enfermeiros especialistas e onde são os médicos que estão a fazer esta vigilância, quando poderiam estar a desempenhar outras funções".

Este enfermeiro especialista de saúde materna do Hospital de Aveiro diz que é urgente resolver esta questão e adianta que não são só os enfermeiros que estão preocupados.

"Os médicos também estão preocupados e estão desgastados porque estão a assumir eles, quase na íntegra, a vigilância da grávida", referiu.

Segundo a Ordem dos Enfermeiros, que apoia os profissionais neste protesto, existem cerca de 2.000 enfermeiros que, apesar de serem especialistas, recebem como se prestassem serviços de enfermagem comum.

Para dar voz a esta reivindicação, foi criado o movimento EESMO (Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstetrícia), o qual organizou no dia 29 de junho uma vigília frente à residência do primeiro-ministro

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.