Empresários de Angra do Heroísmo preocupados com evolução do turismo na Terceira e Graciosa

Empresários de Angra do Heroísmo preocupados com evolução do turismo na Terceira e Graciosa

 

Lusa/AO Online   Regional   3 de Jun de 2015, 19:31

A Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo (CCAH) considerou hoje preocupantes os dados recentes relativos ao turismo nas ilhas Terceira e Graciosa, defendendo a realização de voos charter para a ilha Terceira.

"Os proveitos na ilha Terceira apresentaram quebras consideráveis no primeiro trimestre deste ano, mesmo apesar do ligeiro aumento de dormidas nesse período, traduzindo a situação angustiante do setor hoteleiro da ilha, obrigado a uma constante baixa de preços para captação de clientes", salientou, num comunicado de imprensa, a direção da CCAH, que representa os empresários das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge.

A associação empresarial considerou que nas ilhas Terceira e Graciosa se verifica "uma excessiva da dependência do mercado nacional", que diz ser "resultado da diminuição de turistas estrangeiros".

Os empresários criticaram também a "discrepância cada vez maior" que dizem existir nos dados do turismo (número de dormidas, taxa de ocupação-cama e proveitos) entre a ilha de São Miguel e as outras oito ilhas dos Açores, mesmo antes do início da operação das companhias aéreas de baixo custo para Ponta Delgada.

Para contrariar estes números, a CCAH defendeu "uma política séria" do executivo regional na captação de uma "operação charter" para a ilha Terceira.

"Os indicadores reforçam a urgência de colocação de, pelo menos, três voos charter semanais a voar para a ilha Terceira, anualmente. Só com estas operações a Terceira conseguirá mitigar o efeito de sazonalidade, aumentar a estadia média e garantir uma ocupação mais próxima dos mínimos necessários para a sustentabilidade do setor do turismo", salienta a associação empresarial no comunicado.

Na terça-feira, numa reunião com o Conselho de Ilha do Pico, o presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, disse que nos primeiros meses do ano o turismo cresceu em oito das nove ilhas do arquipélago, alegando que os números desmentem a ideia de que o setor só se está a desenvolver em São Miguel, a ilha para onde voam companhias aéreas de baixo custo.

De acordo com dados do Serviço Regional de Estatística dos Açores, em comparação com o período homólogo, houve um crescimento nas dormidas na hotelaria tradicional, no primeiro trimestre de 2015, em todas as ilhas, exceto na ilha das Flores.

O maior crescimento em número de dormidas ocorreu em São Miguel, que passou de 70.830 dormidas para 91.863.

Em percentagem, o Faial foi a ilha que mais cresceu (37,9%) e a menor evolução verificou-se nas ilhas de Santa Maria (2,6%), Graciosa (4,5%) e Terceira (6,4%).


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.