Em cada minuto morrem duas crianças menores de cinco anos com pneumonia

Em cada minuto morrem duas crianças menores de cinco anos com pneumonia

 

Lusa/AO online   Internacional   27 de Nov de 2017, 14:48

Em cada minuto duas crianças menores de cinco anos morrem no mundo de pneumonia, uma enfermidade que mata quase um milhão de crianças por ano, embora possa ser tratada com antibióticos que custam apenas 34 cêntimos.


O alerta, citado hoje pela agência espanhola EFE, consta do manifesto da organização não-governamental (ONG) "Save the Children" na sua informação "Lutando por Respirar", que explica que a pneumonia é a "doença da pobreza" e a principal causa de morte infantil por patologias infecciosas, que se concentram nos países economicamente mais atrasados e subdesenvolvidos.

Nesses países, são as crianças mais pobres que têm mais riscos de contrair aquela doença, que mata mais do que a malária, a diarreia e o sarampo juntos, segundo aquela ONG, que fixou como objetivo salvar um milhão de vidas nos próximos cinco anos.

A informação, cuja introdução foi escrita pelo ex-secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, mostra como umas políticas nacionais apoiadas pela cooperação internacional poderão salvar 5,3 milhões de vidas até 2010.

A organização sustenta que a administração de do antibiótico amoxicilina custa 34 cêntimos, "menos que um pacote de doces num supermercado ocidental", com o que se poderia salvar uma criança daquela doença.

Apesar do baixo preço daquele antibiótico, o fármaco não está disponível em muitos centros de saúde dos países mais afetados pela doença como sejam a Tanzânia e a República Democrática do Congo.

A "Save the Children" refere ainda que 170 milhões de crianças não estão vacinadas contra a doença e que as crianças do sexo feminino com pneumonia têm um risco de morrer 43% superior às do sexo masculino no sul da Ásia.

Para reduzir o número de vítimas, a ONG reclama vacinas mais baratas e que se possa vacinar mais de 166 milhões de crianças menores de dois anos para prevenir a enfermidade.

Além disso, pede aos governos planos de ação que assegurem a disponibilidade de antibióticos em todo o mundo, incluindo o acesso universal a centros de saúde com pessoal capacitado para diagnosticar a doença de forma "rápida e precisa".

A ONG propõe ainda o estabelecimento de alianças público-privadas para ampliar as provisões de oxigénio necessário para ajudar as crianças que "lutam por respirar" e a adoção de medidas para ajudar os mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo que não têm acesso a serviços médico-sanitários.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.