DGArtes: Mais 43 candidaturas com apoio após reforço de verbas

DGArtes: Mais 43 candidaturas com apoio após reforço de verbas

 

Lusa/AO online   Nacional   6 de Abr de 2018, 09:35

Mais 43 entidades podem receber apoio, no Programa de Apoio Sustentado 2018-2021 da Direção Geral das Artes (DGArtes), entre as quais o Teatro Experimental de Cascais, com o reforço para 81,5 milhões de euros, esta quinta-feira anunciado pelo Governo.

De acordo com a lista hoje disponibilizada pelo Ministério da Cultura, fixam-se agora em 183 (140 candidaturas iniciais mais 43), as "entidades culturais beneficiárias, no âmbito do concurso de apoio sustentado", após o anúncio do novo reforço de 2,2 milhões de euros, a este programa, hoje feito pelo primeiro-ministro.

"O valor total destinado aos concursos de apoio sustentado para o ciclo 2018-2021 corresponde a 81,5 milhões de euros", de acordo com a nota do Ministério, que acrescenta que, respeitando os períodos de audiência prévia previstos na lei, os resultados dos concursos podem ainda vir a ter alterações.

Centro Dramático de Évora, Orquestra de Câmara Portuguesa, A Escola da Noite, O Teatrão, c.e.m - centro em movimento, Cão Danado, Teatro dos Aloés, Chão de Oliva, Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica, Teatro Animação de Setúbal, Teatro Estúdio Fontenova são algumas das 43 candidaturas que agora se juntam às 140 "com proposta de apoio à candidatura", dos resultados provisórios do Programa de Apoio Sustentado 2018-2021, da DGArtes.

Os concursos do Programa Sustentado da DGArtes, para os anos de 2018-2021, partiram com um montante global de 64,5 milhões de euros, em outubro, subiram aos 72,5 milhões, no início desta semana, perante a contestação no setor, e o secretário de Estado da Cultura, já tinha admitido, na terça-feira, em conferência de imprensa, a possibilidade de essa verba vir a ser reforçada, já este ano, numa articulação entre o Ministério da Cultura e o gabinete do primeiro-ministro.

Para 2018, o Programa de Apoio Sustentado tinha previsto inicialmente um montante de 15 milhões de euros, que agora ascende a 19,2 milhões com os dois reforços dos últimos dias, subindo a 81,5 milhões de euros, o montante global disponível para os quatro anos de vigência do programa.

Entre as entidades que estão na lista para poderem receber apoio de verbas para as artes contam-se mais 15 estruturas da zona Norte, seis da região Centro, 18 da área metropolitana de Lisboa, uma do Algarve e mais três do Alentejo.

No Norte, são a Associação Cultural Centro para os Assuntos da Arte e Arquitetura de Guimarães (CAAA), Fundação Cupertino de Miranda, Saco Azul, Circolando, Circular, KKYM, Cão Danado, Audivi Vocem, Cirac - Círculo de Recreio Arte e Cultura de Paços de Brandão, Curso de Música Silva Monteiro, Cenários e Enredos Associação, Fértil, Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica, Pé de Vento e a Banda Nova Sinfónia Portuguesa, no Norte.

Na zona Centro, estão os Encontros de Fotografia, Memoria Imaterial, Associação de Cursos Internacionais de Música de Óbidos, A Escola da Noite, Teatro das Beiras e O Teatrão.

Na Área Metropolitana de Lisboa juntam-se DSCH - Associação Musical, Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa, Orquestra de Câmara Portuguesa, Sond'Ar-te Electric Ensemble, Teatro dos Actecas- Teatro Experimental de Cascais, Teatro dos Aloés, Cegada, Chão de Oliva, GRIOT-Associação Cultural, Grupo Teatroesfera, MP & NC - Associação Cultural, Teatro de Animação de Setúbal, Teatro Estúdio Fontenova, c.e.m - centro em movimento, Colectividade Cultural e Recreativa de Sta. Catarina, Produções Real Pelágio, Pogo Teatro e a Inestética.

No Algarve, apenas a Academia de Música de Lagos poderá beneficiar do reforço de verbas para as artes.

No Alentejo, o Centro Dramático de Évora (Cendrev), a associação Algures e a Associação M4rvão 1nternational Mus1c F3stival são as entidades que constam da lista das possíveis beneficiários do reforço.

Os concursos do Programa Sustentado da DGArtes, para os anos de 2018-2021, partiram com um montante global de 64,5 milhões de euros, em outubro, subiram aos 72,5 milhões, no início desta semana, perante a contestação no setor, e o secretário de Estado da Cultura, já tinha admitido, na terça-feira, em conferência de imprensa, a possibilidade de essa verba vir a ser reforçada, já este ano, numa articulação entre o Ministério da Cultura e o gabinete do primeiro-ministro.

Para 2018, o Programa de Apoio Sustentado tinha previsto inicialmente um montante de 15 milhões de euros, que agora ascende a 19,2 milhões com os dois reforços dos últimos dias, subindo a 81,5 milhões de euros, o montante global disponível para os quatro anos de vigência do programa.

O Programa de Apoio Sustentado às Artes 2018-2021 envolve seis áreas artísticas - circo contemporâneo e artes de rua, dança, artes visuais, cruzamentos disciplinares, música e teatro – tendo sido admitidas a concurso, este ano, 242 das 250 candidaturas apresentadas. Os resultados provisórios apontam para a concessão de apoio a 140 companhias e projetos.

Os primeiros resultados provisórios deram origem a contestação no setor, e levaram o PCP e o Bloco de Esquerda a pedir a audição, com caráter de urgência, do ministro da Cultura e da diretora-geral das Artes, em comissão parlamentar, que se efetuará na próxima terça-feira.

O ministro Luís Filipe Castro Mendes vai estar presente, na sexta-feira, na sessão plenária do parlamento, num debate de atualidade requerido pelo CDS-PP, sobre os “problemas na área da Cultura".

Em comunicado, sindicatos e associações do setor anunciaram ações de protesto para sexta-feira em Lisboa, Porto, Coimbra, Beja, Funchal e Ponta Delgada, mantendo as manifestações, apesar dos anúncios de reforços de verbas.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.