Crise na Guiné domina CPLP


 

Lusa/Ao On line   Nacional   23 de Jul de 2010, 06:40

Os chefes de Estado e de Governo da CPLP reúnem-se hoje em Luanda na VIII Cimeira, com a situação na Guiné-Bissau e as prioridades para os próximos dois anos, sob presidência angolana, na agenda de trabalhos.

A Cimeira, que não contará com a presença dos presidentes do Brasil e de Timor-Leste, Luiz Inácio Lula da Silva e José Ramos-Horta, respetivamente, por razões de agenda interna, marca a passagem da presidência da CPLP, de Portugal para Angola.

O Governo angolano apresentou quatro eixos prioritários para a sua presidência, designadamente o domínio da diplomacia e concertação política, cooperação e desenvolvimento, questões administrativas e organizativas, bem como a promoção da Língua Portuguesa.

O Plano para a difusão da Língua Portuguesa será, aliás, discutido nesta cimeira.

Embora questões como a promoção da língua se mantenham, há uma preocupação em dar maior dinâmica e atenção à cooperação económica.

O Presidente moçambicano, Armando Guebuza, não espera uma mudança radical de política. Mas sobre as perspetivas da organização, sob a liderança de Angola, disse tratar-se de uma oportunidade para os Estados membros, especialmente os Países Africanos (PALOP), intensificarem as suas trocas comerciais, e de dinamizarem os investimentos que têm vindo a ser desenvolvidos nos últimos tempos.

Nesta Cimeira, o tema Guiné Equatorial, que ameaçava tornar-se o assunto dominante e polémico, com a formalização da adesão deste país como membro de pleno direito, ficou adiado após o anúncio feito quinta feira pelo primeiro ministro José Sócrates.

Sócrates disse que os chefes de Estado e de Governo não vão decidir nada sobre a adesão, mas sim registar o pedido da Guiné Equatorial.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.