Web Summit

Ciência agrícola e tecnologia para gerir uma quinta na "palma da mão"

 Ciência agrícola e tecnologia para gerir uma quinta na "palma da mão"

 

Lusa/AO online   Nacional   8 de Nov de 2016, 17:23

Aliando a ciência agrícola à tecnologia é possível saber à distância se um animal está doente, quantos quilómetros fez ou se há falta de água numa cultura, até porque o futuro passa por gerir uma quinta "na palma da mão".

 

Fundadas em 2015, as empresas portuguesas Agroinsider e Techsensys estão a desenvolver testes a duas plataformas que estão a criar conjuntamente. Uma é ligada à agricultura de precisão com monitorização de culturas por satélite, e a segunda prende-se com pecuária de precisão e irá recolher dados em tempo real dos animais.

"Costumamos dizer que estamos a ajudar a transformar os agricultores em investidores agrícolas", disse à Lusa Mário Luís, da Agroinsider, no stand da empresa na Web Summit, a decorrer em Lisboa até quinta-feira.

Segundo explicou, a ideia é gerir os dados recolhidos com ciência animal e transformar esses dados em valor económico e de decisão para o empresário agrícola.

Através de um sensor colocado na orelha do animal é possível saber se este está doente, quantos quilómetros fez, quanta ração deve comer ou se, por exemplo, uma vaca está prenhe e quando vai nascer a cria.

"A informação é recolhida do animal para a antena e da antena para a plataforma. Depois gerimos e produzimos dados", transformando a agricultura e os dados agrícolas "em dados económicos que possam ser geríveis".

Especializada em consultadoria, tecnologia e ciência agrícola, a Agroinvest recorreu à Techsensys, empresa de tecnologia, para desenvolver o sensor, aliando o seu "conhecimento tecnológico com a experiência e a ciência que a Agroinside traz para a agricultura".

"O que apresentamos é a possibilidade de, através de requisitos específicos de um cliente, desenvolver uma solução integral, desde a criação do sensor à definição do tipo de conectividade, mas também à criação da plataforma que vai permitir gerir toda a informação crítica que é recolhida pelos sensores", explicou Luís Juncá, da Techsensys.

Para a Agroinsider, o "stress" que os agricultores sentem por não terem informação precisa poderá desaparecer com este tipo de soluções, mas o excesso de informação poderá, eventualmente, vir a ser um problema.

"O processo agrícola como existia no passado vai ser completamente reformatado. Vamos ter muito mais tecnologia nos campos, em tudo. Em todo o lado é possível colocar dispositivos", defende Mário Luís.

Para Luís Juncá, no futuro já não será necessário estar todos os dias presencialmente numa quinta: "o futuro passa por soluções que, na palma da mão, permitam gerir com uma aplicação tudo aquilo que é o nosso negócio".

Mário Rui concorda e acrescenta: "Não sei é se o futuro é já no próximo ano se daqui a 10 anos".

A Web Summit de Lisboa, que arrancou na segunda-feira, conta com mais de 53.000 participantes, de 166 países, incluindo 15.000 empresas, 7.000 presidentes executivos e 700 investidores.

Entre os oradores, estarão os fundadores e presidentes executivos das maiores empresas de tecnologia, bem como importantes personalidades das áreas de desporto, moda e música.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.