Ciência

CERN revela novos dados sobre a matéria na origem do Universo

CERN revela novos dados sobre a matéria na origem do Universo

 

Lusa/AO online   Internacional   13 de Ago de 2012, 21:18

O Centro Europeu de Investigação Nuclear (CERN) possui novos dados sobre a matéria que provavelmente existiu na origem do universo, obtidos em novas experiências realizadas com o LHC, o maior acelerador de partículas do mundo.

Os dados, que serão apresentados durante a conferência "Materia Quark 2012", que começou esta segunda-feira em Washington, baseiam-se nos resultados obtidos em experiências realizadas com iões de chumbo no LHC durante 2011, um ano em que se multiplicou por 20 a obtenção de informação neste campo, adiantou o CERN em comunicado.

Os físicos creem que, nos instantes imediatamente posteriores ao Bing Bang, os quarks e os gluões (estruturas básicas da matéria) não estavam confinados a partículas compostas como os protões e os neutrões, tal como ocorre na atualidade.

A teoria indica que, nos 20 ou 30 microssegundos que se seguiram à "grande explosão", estes componentes se moveram com liberdade num estado da matéria conhecido como "plasma de quarks-gluões".

Demonstrar que esta foi a realidade nesse instante é o objetivo das experiências realizadas no último ano no LHC, essencialmente colisões de iões de chumbo, com o objetivo principal de recrear durante um momento fugaz condições semelhantes às que se deram na origem do Universo.

Os cientistas do CERN examinaram cerca de um bilião destas colisões, o que lhes permitiu obter conhecimentos mais precisos das propriedades da matéria sob condições extremas que explicarão nos próximos dias na conferência na capital norte-americana.

"O campo da física de iões pesados é crucial para demonstrar as propriedades da matéria no universo inicial", afirmou o diretor-geral do CERN, Rolf Heuer.

Na conferência "Materia Quark 2012" serão apresentadas caracterizações mais ajustadas do estado da matéria em condições mais densas e de maior temperatura obtidas em laboratório, graças a projetos do CERN e instituições associadas.

O CERN recreou temperaturas 100 mil vezes mais altas do que a do interior do Sol e densidades também 100 mil vezes superiores do que uma estrela de neutrões.

O CERN pode dar um novo passo para a compreensão da origem da matéria, apenas um mês depois de ter revolucionado o mundo científico ao anunciar a descoberta da partícula que muito provavelmente seja o procurado "bosão de Higgs", peça-chave para explicar o processo de formação do Universo.

O "bosão de Higgs" é a partícula que daria massa ao resto das partículas e que, nessa lógica, teria permitido a formação de toda a matéria existente.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.