Cerca de 1.500 pescadores nos Açores sem ir ao mar há dois dias

Cerca de 1.500 pescadores nos Açores sem ir ao mar há dois dias

 

Lusa/AO Online   Regional   15 de Dez de 2015, 12:00

O mau tempo está hoje a obrigar 1.500 pescadores de sete das nove ilhas dos Açores a continuar em terra pelo segundo dia consecutivo, situação que, a manter-se, terá consequências nos rendimentos, disse o presidente da Federação das Pescas.

 

"Vamos continuar a aguardar melhorias nas condições do tempo para que os pescadores voltem a exercer a sua atividade. Neste momento, as previsões ainda carecem de alguma atenção especial e, enquanto assim for, obviamente que não irão sair para o mar e estamos a prever [que a situação se mantenha] durante mais cerca de dois dias”, afirmou à agência Lusa o presidente da Federação das Pescas dos Açores, Gualberto Rita, acrescentando que "estão em terra nas ilhas dos grupos central e oriental 300 embarcações".

Adiantando que a comunidade piscatória das ilhas de São Miguel e Santa Maria (grupo oriental) e Terceira, Graciosa, São Jorge, Faial e Pico (grupo central) aguarda pelas condições meteorológicas "dos próximos dias”, Gualberto Rita considerou ser “prematuro estar a contabilizar as consequências" em termos financeiros para os pescadores.

“Mas, obviamente que nos preocupa, porque nesta altura do ano o [preço do] peixe vendido em lota é bastante alto. Era importante que tivéssemos bom tempo para os pescadores voltarem ao mar e venderem o pescado de alto valor", referiu, alertando que, sempre que há uma paragem prolongada da atividade da pesca, a situação afeta os rendimentos dos pescadores.

As ilhas dos grupos oriental e central estiveram na segunda-feira sob aviso vermelho, o mais grave numa escala de quatro, devido a condições atmosféricas adversas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.