CDS-PP diz que “não pode haver medidas de excepção para os ‘boys’” do PS e PSD

CDS-PP diz que “não pode haver medidas de excepção para os ‘boys’” do PS e PSD

 

Lusa / AO online   Economia   12 de Jun de 2010, 13:16

O líder do CDS-PP afirmou hoje que “não pode haver medidas de excepção para os ‘boys’” do PS e do PSD e exige que assessores e adjuntos do Governo procedam ao corte de cinco por cento nos salários.

“O PS e o PSD fizeram um misterioso acordo em que os chefes de gabinete, os assessores, os adjuntos, as comitivas, as deslocações - que é despesa política do Governo - fique isenta, fique imune, não seja atingida pelo tal corte de cinco por cento do ponto de vista dos salários políticos”, afirmou à Lusa Paulo Portas à margem de uma visita ao Lar do Centro Social e Paroquial de São Vicente de Paula em Lisboa.

No entender do dirigente do CDS-PP, “não pode haver medidas de exceção para os ‘boys’”.

Perante esta decisão que resultou de um acordo entre os principais partidos, o CDS-PP vai solicitar na Assembleia da República, que à semelhança dos cortes na despesa de funcionamento na Presidência da República e no Parlamento, “que os gabinetes do Governo – que é onde há mais despesa política – também adiram ao espírito de contenção e que não seja exceção”.

Se assim não for, “os portugueses não acreditam”, considerou Paulo Portas, que deixou uma interrogação.

“Mas então, um ministro é um político e um chefe de gabinete nomeado pelo ministro não é um político?”, questionou.

Quarta feira, PS e PSD aprovaram as medidas de austeridade que vão penalizar os salários e agravar a carga fiscal, mas o corte de cinco por cento no salário dos governantes deixa de fora diretores e sub diretores gerais, adjuntos, assessores e chefes de gabinete.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.