Crise

Cáritas reclama mais ajuda a pessoas carenciadas por parte da Segurança Social

Cáritas reclama mais ajuda a pessoas carenciadas por parte da Segurança Social

 

Lusa/AO online   Nacional   26 de Dez de 2011, 09:22

O presidente da Cáritas Portuguesa, Eugénio Fonseca, defendeu que a Segurança Social devia ajudar mais as pessoas carenciadas face às dificuldade anunciadas para 2012, mas desconfia dessa possibilidade face à redução dos apoios sociais nos últimos anos.
"Em termos da acção social directa - disponibilização de verbas para ajudar algumas famílias a fazerem face a despesas com a habitação, saúde e alimentação - já há mais de dois anos que não recebemos nada da Segurança Social", disse.

"Se não fosse a sociedade civil, a situação seria mais dramática", acrescentou Eugénio Fonseca, lembrando que só a Cáritas de Setúbal, a que também preside, recebe todas as semanas cerca de 5/6 novos pedidos de ajuda, dezenas em toda a diocese.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Cáritas disse concordar com os cortes nos salários e nas pensões mais elevadas, mas defendeu que, em simultâneo, se deveriam aumentar os salários e as pensões mais baixas, no que considerou ser uma forma de "diferenciação positiva".

"Cortando nos salários e lançando as pessoas no desemprego, se não houver uma almofada social, só podemos esperar duas coisas: o desânimo e o aumento das tensões sociais", disse, advertindo para o aumento do número de pessoas com depressões e de suicídios, bem como para o agravamento das tensões sociais, com conflitos nas ruas.

Sem aligeirar responsabilidades do anterior governo pela situação a que o País chegou, Eugénio Fonseca considera que o País está a pagar o preço dos erros estratégicos que tem vindo a cometer desde há muitos anos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.