Candidato do PSD pela Povoação quer melhorar acessibilidades ao concelho

Candidato do PSD pela Povoação quer melhorar acessibilidades ao concelho

 

Lusa/AO online   Regional   25 de Ago de 2017, 17:08

O empresário Adelino Pimentel, de 54 anos, é o cabeça de lista do PSD à Câmara Municipal da Povoação, tendo como uma das suas metas melhorar as acessibilidades ao concelho e apostar no turismo

"Pretendo desenvolver uma luta constante até que se consiga melhorar as acessibilidades a este concelho, concretamente a ligação Furnas-Povoação, Furnas-Ribeira Quente, a par da recuperação de diversas vias municipais que carecem muito de ser arranjadas", declarou à agência Lusa o militante social-democrata.

O ex-vereador e deputado municipal, que responsabiliza o PS pelo facto de as vias SCUT não terem chegado ao concelho da Povoação, quer uma "transformação profunda" nas estradas que contemplem zonas de ultrapassagem e a criação de uma zona pedonal que ligue as Furnas à Povoação, bem como as Furnas à Ribeira Quente.

Para Adelino Pimentel, há que "agarrar o turismo" como alavanca económica, uma vez que o setor irá trazer mais pessoas para o concelho, muitas das quais se podem fixar, a par da criação de mais postos de trabalho.

O candidato quer potenciar em termos turísticos o facto de a Povoação ter sido a primeira localidade da ilha de São Miguel a ser habitada, defendendo a criação de uma rota histórica que contemple os monumentos e a denominada "Povoação Velha".

O social-democrata pretende apostar na melhoria da rede de trilhos, a par dos "bons espaços que existem para o turismo de aventura", locais para a prática de parapente e para provas de bicicleta de todo-o-terreno.

Adelino Pimentel defende a criação de uma rota dos moinhos do concelho, que já foi considerado o "celeiro da ilha", uma vez que na Povoação se produzia milho e trigo que era moído e transformado em farinha e depois comercializado.

O candidato afirma, sobre as dificuldades financeiras com que a Câmara Municipal da Povoação está a ser confrontada, que não está preocupado, considerando esta uma "situação normal".

"Sobre a dívida de 34 milhões de euros que os socialistas afirmam ter encontrado na câmara municipal, esqueceram-se de referir que oito anos antes já haviam deixado cerca de 17 milhões. Ou seja, o que transitou para a dívida efetiva feita pelo anterior executivo, que não o que está a governar, foram 17 milhões de euros", declarou.

Adelino Pimentel acrescentou que 10 dos 17 milhões de euros "desapareceram por via legislativa" e estavam "relacionados com os investimentos feitos nas empresas público-privadas".

A autarquia, adiantou, está reduzida a sete milhões de dívida que não "trará grandes dificuldades no futuro", tendo de se conseguir um "equilíbrio entre a gestão da dívida e o investimento".

Nas últimas eleições autárquicas, o PS conquistou três mandatos no município, enquanto o PSD elegeu dois vereadores.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.