Cachalote deu à costa morto junto à Fajã do Araújo no Nordeste

Cachalote deu à costa morto junto à Fajã do Araújo no Nordeste

 

Luis Pedro Silva   Regional   13 de Jun de 2010, 20:45

Um Cachalote, com cerca de 10 metros, surgiu morto junto à costa na Fajã do Araújo na passada quarta-feira.

O animal "foi encontrado já em estado de decomposição", segundo anunciou Rodrigues Gonçalves, comandante da Capitania do Porto de Ponta Delgada. O responsável pela Polícia Marítima explicou que o "animal encontra-se numa zona de difícil acesso, sendo impossível retirá-lo daquele local". Garante, contudo, que o animal encontra-se "longe de zonas habitadas e de zonas balneares" e as autoridades consideram, por isso, que não existe risco para a população.

Segundo informação enviada ao Açoriano Oriental, os maus cheiros provocados pelo cachalote em decomposição estarão a incomodar os habitantes e visitantes da Fajã do Araújo, no entanto, segundo a opinião do professor universitário José Azevedo, "geralmente nestes casos não existem maus cheiros ou riscos para a saúde pública, a menos que se vá nadar para perto do cachalote".

O comandante Rodrigues Gonçalves explicou que ficou acordado com a Câmara Municipal do Nordeste, com o SEPNA da GNR e com a Direcção Regional do Ambiente, que se iria colocar cal em cima do animal para acelerar a sua decomposição. O professor José Azevedo revela tratar-se de um método inovador que poderá ajudar a acelerar a decomposição do cachalote, num processo que, caso contrário, demoraria meses.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.