Ataques contra trabalhadores humanitários atingiram novo recorde em 2013

Ataques contra trabalhadores humanitários atingiram novo recorde em 2013

 

Lusa/AO online   Internacional   19 de Ago de 2014, 08:38

Os ataques de que foram alvo funcionários de organizações humanitárias atingiram um novo pico em 2013, com o registo de 155 mortos, de acordo com dados publicados hoje pelo centro de investigação Humanitarian Outcomes

O Afeganistão encabeça a lista de países onde enfrentam maior risco – com 81 mortos em 2013 –, segundo a mesma organização.

Ao longo do ano passado, foram mortos, em todo o mundo, 155 trabalhadores de organizações humanitárias, 171 feridos gravemente e 134 raptados.

Três quartos da violência tiveram como palco apenas cinco países: Afeganistão, Síria, Sudão do Sul, Paquistão e Sudão.

Em termos globais, verifica-se um aumento de 66% do universo de vítimas face a 2012, segundo os dados do ‘think-thank’, citados pela agência AFP.

Dados preliminares do corrente ano indiciam que os níveis de perigo permanecem elevados. Até meados de agosto foram mortos 79 trabalhadores humanitários, ou seja, mais do que em todo o ano de 2012.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas deverá discutir hoje o aumento dos ataques durante um encontro por ocasião do Dia Mundial da Ajuda Humanitária, assinalando o atentado de 2003 contra a sede da ONU em Bagdade que matou 22 funcionários das Nações Unidas, incluindo o representante do secretário-geral da organização no país, o diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.