António Ramalho assume hoje presidência do conselho de administração

 António Ramalho assume hoje presidência do conselho de administração

 

Lusa/AO Online   Economia   1 de Ago de 2016, 08:32

António Ramalho assume, a partir de hoje, o cargo de presidente do Conselho de Administração do Novo Banco, sucedendo a Eduardo Stock da Cunha.

O Banco de Portugal (BdP) anunciou, a 12 de junho, que “nomeou, sob proposta do Fundo de Resolução, na qualidade de único acionista do Novo Banco, S.A., o Dr. António Manuel Palma Ramalho para o cargo de presidente do Conselho de Administração do Novo Banco”.

A escolha de António Ramalho, até então presidente do Conselho de Administração da Infraestruturas de Portugal (empresa que resultou da fusão da Estradas de Portugal com a Refer), para o Novo Banco - sucedendo a Eduardo Stock da Cunha - já tinha sido noticiada pela imprensa.

António Ramalho foi presidente do Conselho de Administração da Unicre (2006 a 2010) e membro do Conselho de Administração Executivo do Banco Comercial Português (2010 a 2012).

Já Eduardo Stock da Cunha deixa o Novo Banco, onde estava desde setembro de 2014, para regressar ao britânico Lloyds Banking Group.

O Novo Banco é o banco de transição que resultou da resolução do Banco Espírito Santo (BES), em agosto de 2014, tendo ficado com os ativos e passivos considerados menos problemáticos.

Ainda assim, o banco tem vindo a acumular prejuízos, que foram 980,6 milhões de euros em 2015.

António Ramalho vai assumir a liderança do Novo Banco quando este está em processo de venda, tendo o BdP recebido até final de junho quatro propostas de compra, não tendo divulgado os nomes dos interessados.

A imprensa tem vindo a adiantar que o Santander levantou caderno de encargos mas não apresentou proposta, sendo as instituições que estão na corrida os bancos BCP e BPI e os fundos Apollo/Centerbridge e Lone Star.

O Diário de Notícias noticiou na passada quarta-feira que as negociações com os interessados em comprar o Novo Banco irão derrapar para setembro "devido à complexidade da escolha" entre propostas que têm "naturezas muito diferentes".

O Banco de Portugal tinha como objetivo concretizar a venda do Novo Banco este verão, depois de o processo ter sido suspenso em setembro do ano passado, sendo que a Comissão Europeia deu mais um ano para o processo ser concluído, até agosto de 2017.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.