Análises ao hospital da Horta revelam que a 'legionella' está confinada a um depósito

Análises ao hospital da Horta revelam que a 'legionella' está confinada a um depósito

 

LUSA/AO online   Regional   24 de Mai de 2017, 17:29

As últimas análises realizadas ao hospital da Horta, nos Açores, onde há duas semanas foi detetada 'legionella', confirmam e existência da bactéria, embora confinada a um depósito de água, isolado da rede, revelou hoje fonte hospitalar

O presidente do conselho de administração do hospital da Horta, na ilha do Faial, garantiu à Antena 1/Açores que a ‘legionella’ não foi detetada no circuito de abastecimento de água aos utentes, mas apenas num reservatório ligado aos painéis solares, que "não afeta" os serviços hospitalares, nem os doentes.

"Neste momento apenas houve uma análise com deteção de ‘legionella’”, explicou João Morais, ressalvando aquele depósito "não estava ligado aos circuitos" de distribuição da água, onde tinha sido detetada a presença da bactéria no início deste mês.

Em menos de sete meses foi detetada no hospital da Horta, por duas vezes, a presença de ‘legionella’, uma bactéria forte que pode provocar infeções respiratórias ou até mesmo a morte.

"Após a chegada dos resultados do INOVA [Instituto de Inovação Tecnológica dos Açores] e após reunião com a delegada de Saúde da Horta, podemos afirmar que no circuito de distribuição de água dos serviços que estão em contacto com os utentes não temos qualquer problema, a ‘legionella’ não foi detetada", garantiu João Morais, adiantando que a unidade de saúde está “em condições de repor a normalidade de funcionamento”.

O presidente do conselho de administração explicou que "nenhum utente foi afetado com a ‘legionella’", o que demonstra que "os procedimentos adotados foram eficazes" e que foi possível "eliminar totalmente" a bactéria do circuito de abastecimento de água aos serviços de "urgência, internamento, blocos operatórios e laboratórios".

"Assim que voltarmos a ter a segurança de que as coisas estão em condições, esse depósito será posto em produção", acrescentou o responsável.

João Morais recusou, por outro lado, a ideia de que possa existir alguma relação entre o surgimento da bactéria e a eventual redução da temperatura das caldeiras do hospital, garantindo que "não foi dada nenhuma orientação" nesse sentido.

Quando foi detetada a ‘legionella’ no hospital da Horta, na sequência de uma análise de rotina, a administração desta unidade de saúde efetuou uma desinfeção a todo o sistema de distribuição da água, com vista a "aniquilar a bactéria" que, apesar de tudo, se mantém ativa, mas apenas num reservatório isolado.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.