500 polícias detectaram 20 ilegalidades na segurança nocturna no Porto

500 polícias detectaram 20 ilegalidades na segurança nocturna no Porto

 

Lusa / Ao online   Nacional   15 de Dez de 2007, 10:53

A PSP/Porto deteve hoje de madrugada 24 pessoas, uma das quais por posse de arma proibida, e detectou ilegalidades na segurança privada de 20 estabelecimentos, numa mega-operação que envolveu meio milhar de polícias, revelou fonte da corporação.
    A operação decorreu em cinco concelhos da Área Metropolitana: Porto, Matosinhos, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia e Póvoa de Varzim.

    De acordo com o balanço da acção, fornecido ao princípio da manhã de hoje à Lusa, a operação permitiu que a PSP elaborasse 33 autos de contra-ordenação por infracções detectadas em estabelecimentos nocturnos, 20 dos quais por infracções a normas no âmbito da segurança privada.

    Dos 24 detidos, um estava na posse de arma proibida e outro furtou um estabelecimento com recurso a arrombamento, referiu a fonte.

    Dos restantes detidos, 18 conduziam sob efeito do álcool, dois guiavam viaturas sem carta, um efectuava condução perigosa e outro desobedeceu às autoridades.

    Foram identificadas 74 outras pessoas.

    Ainda de acordo com o balanço da operação, foram apreendidas uma arma e 17 doses de haxixe.

    Da fiscalização de 1.159 viaturas resultou a elaboração de 102 autos por infracções ao Código da Estrada, sendo 14 infracções muito graves e oito graves.

    Ainda com a operação em curso, uma fonte da PSP confirmou que o objectivo da acção foi "reforçar o sentimento de segurança da população que foi abalado pelos acontecimentos que houve anteriormente", numa alusão a uma sequência de seis homicídios de pessoas associadas aos negócios da noite no Porto.

    "A polícia continua actuante, trabalhando para a segurança da população", acrescentou.

    Já de manhã, o oficial de dia da PSP, comissário Armando Dias, disse que esta operação só é de relevar por envolver mais meios do que os habituais.

    "Temos feito operações deste tipo com uma frequência semanal, mostrando à população que a polícia está empenhada em tranquilizar a cidade. Esta teve mais relevo só por envolver mais meios", afirmou o oficial.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.