Escrevi há uns tempos que a direita portuguesa pós-Cavaco estava em crise. Nem Barroso, que fugiu para a Europa, nem Santana Lopes, que viu o poder resvalar para José Sócrates, nem Passos Coelho, que não soube gerir o país da tanga financeira e orçamental em que nos deixou...