Sistema de videovigilância no ponto mais alto de Portugal operacional em junho

Sistema de videovigilância no ponto mais alto de Portugal operacional em junho

 

LUSA/AO online   Regional   19 de Mai de 2016, 17:02

O sistema de videovigilância da montanha do Pico, nos Açores, o ponto mais alto de Portugal, com 2.351 metros, vai estar operacional em junho, disse hoje à agência Lusa o secretário regional da Agricultura e Ambiente

"O sistema começou a ser montado há duas semanas e ficará concluído e totalmente funcional durante o mês de junho, antes do período de maior procura, os meses de julho e agosto”, afirmou Luís Neto Viveiros, no âmbito da visita estatutária que o Governo Regional está a realizar até sexta-feira à ilha do Pico.

Segundo o governante, o investimento, de 150 mil euros, passa “pela aquisição e montagem de três câmaras - duas no bordo da cratera e uma junto à Casa da Montanha”, ligadas a “duas estações de controlo” (uma naquela casa e outra nos bombeiros da Madalena -, além de 150 equipamentos GPS de rastreio individual, que vão ser agora 200 no total.

“Permite-nos disponibilizar um equipamento de rastreio individual a todos os visitantes, controlar o trilho e toda a zona da cratera e a subida ao Piquinho”, 70 metros acima da cratera, adiantou Neto Viveiros, que destacou a mais-valia deste projeto.

Para o secretário regional da Agricultura e Ambiente, “a conjugação das câmaras e dos equipamentos GPS permite um maior controlo quanto ao cumprimento das regras, sobretudo daqueles que optam pela subida autónoma [sem guia da montanha]”.

Além disso, constitui “um instrumento fundamental na segurança dos visitantes, permitindo mais facilmente localizar quem se possa ter perdido ou quem necessite de ser resgatado”.

“Os equipamentos permitem que, perante uma aparente anormalidade, se possa contactar o visitante, usando o sistema de voz dos GPS, e confirmar a sua situação”, adiantou.

Além deste investimento, o Governo Regional vai construir uma zona de apoio às descidas da montanha e de uma nova área de estacionamento, obras de cerca de meio milhão de euros.

A Casa da Montanha, ponto de paragem obrigatória para quem quer subir o Pico, tem como principal função o registo e controlo das subidas.

Situado a 1.200 metros de altitude, o espaço “disponibiliza informação sobre a geologia, biologia, história e clima, quer em painéis informativos, quer em formato de vídeo que pode ser visualizado no auditório”.

A Casa da Montanha está aberta este mês e de 01 a 15 de outubro ininterruptamente entre as 08:00 de sexta-feira até às 20:00 de domingo, enquanto nos restantes dias da semana abre das 08:00 às 20:00.

Já entre 01 de junho a 30 de setembro, a Casa da Montanha vai funcionar ininterruptamente durante as 24 horas, enquanto de 16 de outubro a 30 de abril funcionará todos os dias das 08:00 às 18:00.

Segundo uma nota de imprensa do executivo açoriano, além da Casa da Montanha, os visitantes podem obter a autorização de subida junto do Parque Natural do Pico, presencialmente ou através do preenchimento do formulário disponível no endereço eletrónico http://servicos-sraa.azores.gov.pt/gamp, bem como no quartel dos Bombeiros Voluntários da Madalena.

“Em cada subida, é entregue ao visitante um equipamento de rastreio (GPS), sendo também disponibilizadas informações sobre o regulamento, as condições e duração média do percurso, código de conduta e segurança, a previsão meteorológica e os termos e condições de eventuais operações de resgate”, adianta a mesma nota.

Em 2015, a Casa da Montanha foi visitada por cerca de 25 mil pessoas, um número recorde, das quais cerca de 10.500 escalaram a montanha, também um número recorde, ultrapassando, pela primeira vez, a barreira das dez mil pessoas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.