SINAPOL alerta para falta de veículos no Comando Regional da PSP dos Açores

SINAPOL alerta para falta de veículos no Comando Regional da PSP dos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   28 de Nov de 2012, 06:23

O vice-presidente do Sindicato Nacional da Policia (SINAPOL), Marcelo Pinto, afirmou hoje à agência Lusa que a falta de veículos nas esquadras dos Açores "está no limite do sustentável".

"A situação no comando regional dos Açores está no limite. Já existem esquadras que ficam durante horas sem uma única viatura a rodar e caso a situação não se altere pode provocar um dia destes insegurança ao próprio cidadão que não vai ter a polícia para o auxiliar em tempo útil", disse Marcelo Pinto.

O vice-presidente da SINAPOL, até há pouco tempo o presidente do sindicato nos Açores, relembrou que, ao contrário do Continente, nos Açores não se pode fazer empréstimo de veículos entre esquadras pois tal é impraticável entre ilhas.

"Isto verifica-se por todo o Comando Regional dos Açores mas por exemplo ao nível de São Miguel, com as esquadras do Nordeste e Povoação que são as mais longínquas, se houver uma dificuldade com essas viaturas, a situação torna-se muito mais gravosa, porque é onde há menor concentração de meios humanos e materiais", constatou o sindicalista.

Em maio passado, o Governo Regional dos Açores assinou um protocolo de cooperação com a PSP, que visava a utilização do fundo regional de transportes terrestres, através das verbas das coimas das contraordenações ao código da estrada nos Açores, para adquirir veículos, mas até agora nada se concretizou.

"Nós temos conhecimento que devido às restrições do Ministério das Finanças, que tem vários trâmites que têm de ser cumpridos a nível de contratos, mas essa burocracia está a prejudicar a capacidade operacional da PSP", considerou.

Para Marcelo Pinto, o executivo açoriano deveria ter optado, à semelhança de algumas autarquias, por "ter entrado em contacto com o Comando, verificado as suas necessidades materiais e feito aquisição do material e posteriormente doado ao Comando para que o processo tivesse sido mais célere".

O vice-presidente da SINAPOL defende por isso que o presidente do Governo Regional dos Açores intervenha junto do Governo da República para que possa alterar a situação.

"Penso que o doutor Vasco Cordeiro, já empossado, deveria usar a sua influência junto do Governo Central para tentar desbloquear a situação, o mais rápido possível", defendeu.

Para além da falta de meios materiais junta-se a falta de meios humanos quando existem cerca de mil efetivos nos Açores e o SINAPOL defende a necessidade de" pelo menos mais uma centena de elementos"


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.