Rússia Unida vence eleições regionais russas marcadas por grande abstenção


 

Lusa/AO online   Internacional   15 de Out de 2012, 09:47

O Partido Rússia Unida, dirigido pelo primeiro-ministro Dmitri Medvedev, venceu no domingo as eleições regionais russas, nas quais a oposição se queixou de numerosas fraudes e da baixa afluência.

 Os candidatos da Rússia Unida venceram todos os escrutínios nas eleições diretas de governadores realizadas em cinco regiões do país, que tinham sido abolidas em 2004, durante o primeiro mandato presidencial de Vladimir Putin.

O partido que está no poder no Kremlin conquistou também a maioria nas assembleias legislativas de seis dos 83 membros da Federação da Rússia: Ossétia do Norte, Udmurtia, Krasnodar, Penza, Saratov e Sacalina.

Estas são as primeiras eleições depois da entrada em vigor das reformas políticas realizadas pelo ex-Presidente Dmitri Medvedev, que liberalizou consideravelmente o registo de partidos e os requisitos para a inscrição de candidatos nos processos eleitorais.

A Organização Não-Governamental "Golos" denunciou que terá havido centenas de fraudes no escrutínio, num protesto acompanhado pelos partidos da oposição.

"As dimensões da desgraça [fraudes] espantam. As pessoas eram transportadas em grupo para as mesas de voto", afirmou Vadim Potomski, candidato do Partido Comunista na região de Briansk.

"Eu telefonei aos dirigentes das nossas organizações regionais e todos coincidem numa coisa: nunca assistimos a tantos ‘carrosséis’ organizados, a esquemas de votar por eleitores que não compareceram", disse Nikolai Levitchev, um dos dirigentes do Partido Rússia Justa.

A abstenção foi uma das maiores registadas em escrutínios eleitorais do país.

"As eleições regionais devem levar o poder a meditar seriamente. O partido dirigente repete todos os erros do Partido Comunista da União Soviética, que consistem na usurpação do poder", considerou Igor Lebedev, vice-presidente do Partido Liberal Democrático da Rússia (nacionalista).

"Houve manifestações de protesto só em Moscovo, mas o protesto na província manifestou-se na abstenção", acrescentou.

O antigo primeiro-ministro russo e dirigente do partido liberal PARNAS, Mikhail Kassianov, acusou as autoridades de tudo terem feito para que as pessoas não fossem votar.

As autoridades, pelo seu lado, consideram que o escrutínio decorreu normalmente e Dmitri Medvedev já felicitou o seu partido pela vitória nas eleições regionais, sublinhando que ela foi maior do que a conseguida nas parlamentares de dezembro.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.