Rota dá a conhecer em Ponta Delgada a história da meteorologia

Rota dá a conhecer em Ponta Delgada a história da meteorologia

 

Lusa/AO online   Cultura e Social   18 de Abr de 2018, 14:30

Três dezenas de pessoas vão poder percorrer na quinta-feira lugares relacionados com a história da meteorologia em Ponta Delgada, Açores, numa rota patrimonial que visa dar a conhecer algumas características meteorológicas da região e alertar para as questões climáticas.

"Os Açores são a nível mundial conhecidos por causa das situações que ocorrem aqui a nível meteorológico, muitas delas depois vão para a Europa, aliás, o anticiclone dos Açores põe os Açores no mapa há muito tempo", afirmou à Lusa Maria Emanuel Albergaria, responsável pela equipa do Património Cultural e Material da Coleção de Etnografia Regional do Museu Carlos Machado.

A rota "Santa Maria à vista, água na crista", um adágio popular, insere-se nas iniciativas do museu (em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel) para a comemoração do Dia Internacional dos Monumentos em Sítios, que se celebra hoje com o tema "Património Cultural: de geração em geração" e que vai ser assinalado nos Açores com iniciativas da Direção Regional da Cultura.

O percurso desta rota inicia-se às 10:00 na Fajã de Cima, no antigo Observatório Magnético de São Miguel, e termina no Observatório Afonso Chaves, no Relvão, onde está instalado o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), pelas 16:00.

Os participantes nesta atividade, que conta com os meteorologistas Fernanda Carvalho e Diamantino Henriques, responsável pela delegação dos Açores do IPMA, são convidados a levar almoço para um piquenique nos jardins do Observatório do Relvão.

"O antigo Observatório Magnético e Sismológico da Fajã de Cima é um edifício que é património do Estado e que se encontra abandonado. Foi mandado construir pelo coronel Afonso Chaves, que foi diretor do Museu Carlos Machado e um importante meteorologista de São Miguel", explicou Maria Emanuel Albergaria.

Naturalista açoriano, Francisco Afonso Chaves (1857-1926) dedicou-se também ao estudo da meteorologia.

"O Museu Carlos Machado, detentor do espólio fotográfico de Afonso Chaves, associa-se ao IPMA na organização desta rota patrimonial, que visa dar a conhecer algumas características meteorológicas da região e divulgar lugares que lhes estão associados, além de alertar os cidadãos para questões emergentes do clima", sublinhou, acrescentando que a instituição "é detentora do espólio" do cientista, com "cerca de 7.000 fotografias sobre reportagens, entre as quais a vinda do Rei D. Carlos e da Rainha D. Amélia em 1901 e até das viagens que fazia pela Europa".

Segundo a responsável, esta rota "é uma novidade", porque "há uma certa iliteracia relativamente às questões da meteorologia, atmosfera e clima, pelo que, e especificamente para os açorianos, é importante que estes possam ter a noção destas matérias que influenciam o dia-a-dia do arquipélago".

O museu realiza ainda hoje na escola EBI/JI de Fenais da Luz, em São Miguel, a oficina pedagógica “Viagem pelas Nuvens”, com o comandante João Albergaria, da transportadora aérea Sata, para crianças do 3.º e do 4.º ano.

Trata-se de uma atividade inserida no projeto “Fenais da Luz – Comunidade em Foco”, com o intuito de sensibilizar para a importância da meteorologia e do conhecimento dos fenómenos atmosféricos e do clima.

No dia 22 realiza-se a rota patrimonial “Passo a passo, pelo povoado das Sete Cidades”, organizada pela Loja Eco-Atlântida (Cresaçor e Associação Juventude da Candelária).



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.