Reitor da Universidade dos Açores diz que número de alunos está "aquém do desejável"

Reitor da Universidade dos Açores diz que número de alunos está "aquém do desejável"

 

Lusa/AO Online   Regional   9 de Fev de 2017, 13:00

O reitor da Universidade dos Açores disse hoje que o número de alunos que ingressam no ensino superior e politécnico está "francamente aquém do desejável" devido ao insucesso e abandono escolares no básico e secundário.

"Não obstante o esforço que a Universidade dos Açores está a fazer para motivar os jovens açorianos a seguir o ensino superior, o número de alunos que ingressam na academia e politécnicos encontra-se francamente aquém do que seria desejável", declarou João Luís Gaspar.

O reitor, que falava em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, na sessão comemorativa do 41.º aniversário da academia, considerou que este cenário "pode agravar-se significativamente" face à realidade demográfica dos Açores.

O responsável manifestou disponibilidade da instituição em "colaborar na mitigação do problema", através da apresentação de propostas e projetos-piloto, que não especificou, e adiantou que a universidade está a regulamentar um fundo de apoio social que visa gerar subsídios de emergência para ajudar alunos com dificuldades económicas.

João Luís Gaspar referiu que o ano passado a Universidade dos Açores celebrou vários convénios com câmaras municipais e empresas privadas, defendendo a sua extensão aos vários departamentos do Governo Regional.

"É neste âmbito que se vai propor ao Governo Regional a operacionalização do conceito de transferências de um euro por cada euro privado que urge regulamentar", disse.

O executivo açoriano propôs um contrato com a academia que prevê que por cada euro que a universidade obtenha como receita da investigação o executivo igualará esse euro até um montante de seis milhões de euros anuais.

O reitor realçou ainda que a condição insular dos Açores está a impedir a academia de concorrer a alguns concursos que são realizados no âmbito de programas operacionais geridos no continente.

"Acontece assim com a dinamização do ensino superior técnico e profissional, e no apoio à internacionalização do ensino, mas no âmbito da ciência o problema é ainda maior e reside nas limitações impostas pela estratégia de investigação e inovação do projeto dos Açores que, por ser tão especializado, é omisso em áreas profissionais para o desenvolvimento regional e o bem-estar social", observou João Luís Gaspar.

O presidente do Conselho Geral da Universidade dos Açores, José Brás, preconizou, por seu turno, a realização de mais parcerias da academia com o tecido empresarial para que possa, através da investigação, gerar produtos regionais mais atrativos para exportação pelas empresas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.