Quercus pede "cautelas acrescidas" para festival nas Sete Cidades

Quercus pede "cautelas acrescidas" para festival nas Sete Cidades

 

Lusa/AO Online   Regional   14 de Jul de 2014, 16:13

O presidente do núcleo da Quercus na ilha de S. Miguel reclamou "cautelas acrescidas"

 

“Terão de existir sempre cautelas acrescidas, nomeadamente quanto à questão da seleção e recolha dos resíduos e, por outro lado, é importante verificar e controlar efetivamente o número de pessoas que irão aceder ao local”, afirmou à agência Lusa Rui Cordeiro, para quem é importante salvaguardar um património classificado como uma das sete maravilhas naturais de Portugal.

Pelo “Azores Green”, que decorre entre 18 e 19 de julho nas Sete Cidades, vão passar vários DJ nacionais e internacionais, com destaque para David Guetta, sendo que o recinto terá capacidade para receber 10 mil pessoas.

As Sete Cidades, freguesia do concelho de Ponta Delgada onde moram menos de 800 pessoas, são uma das principais imagens turísticas dos Açores devido à beleza das suas lagoas.

Apesar de não ser frontalmente contra a realização do festival, o presidente do Núcleo Regional da Quercus S. Miguel pede que haja, por parte das autoridades competentes, “uma fiscalização do cumprimento de todas as normas ambientais para salvaguardar um importante património natural da ilha e dos Açores”.

O festival, que se assume como “um evento que liga as emoções da música à natureza”, vai decorrer junto às margens da lagoa, no antigo campo de futebol, que foi “devidamente preparado” para receber o evento.

Helena Cunha, da organização do “Azores Green”, adiantou à Lusa que todas as licenças necessárias para a realização do festival numa área protegida foram pedidas e concedidas, sendo que também haverá sensibilização do público para a preservação ambiental.

“De facto tivemos muito trabalho para pedir confirmações oficiais de que realmente podíamos lá realizar o evento e, além disso, estamos sempre em parceria com a junta de freguesia das Sete Cidades para qualquer coisa que seja necessário”, afirmou Helena Cunha, acrescentando que haverá 40 ecopontos e 40 voluntários em permanência para assegurar a manutenção do recinto.

“Estão avisados que aquilo é para deixar como estava antes”, sustentou.

O bilhete para os dois dias do festival custa 35 euros.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.