Pescadores temem falências devido a cortes nas quotas europeias

Pescadores temem falências devido a cortes nas quotas europeias

 

Lusa/AO online   Regional   10 de Abr de 2015, 16:08

O presidente da Federação das Pescas dos Açores disse recear a falência de armadores da região, num "futuro próximo", por causa dos cortes nas quotas de pesca para o arquipélago impostas pela União Europeia.

 

José António Fernandes, que falava nas Lajes do Pico, no IV Fórum Franklin D. Roosevelt, sublinhou que a frota de pesca açoriana foi melhorada e bem equipada na última década com o recurso aos fundos europeus.

No entanto, os armadores fizeram esses investimentos com base numa expetativa de negócio que, em alguns segmentos, não se está a concretizar devido às quotas cada vez mais reduzidas ou à proibição de pesca de determinadas espécies por parte da União Europeia.

Há, por isso, pescadores a enfrentar problemas e há "receios" de que surjam "falências" num "futuro próximo", afirmou.

Segundo José António Fernandes, só com o "corte drástico" que foi imposto na quota do goraz (que em 2016 será metade da de 2013), haverá uma quebra de 1,7 milhões de euros na venda direta em lota deste peixe, o que é relevante para a dimensão do setor nos Açores.

A pesca representa 5% do emprego da população ativa açoriana e 20% das exportações dos Açores, lembrou, acrescentando que o volume de pescado no arquipélago varia muito a cada ano, dependendo da disponibilidade de recursos ou das condições do mar.

José António Fernandes lamentou que a União Europeia estabeleça quotas com base apenas no volume de pescado e não veja que, em certos casos, o seu aumento é sinal de abundância dos recursos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.