Paulo Estêvão não se recandidata à liderança do PPM por exaustão

Paulo Estêvão não se recandidata à liderança do PPM por exaustão

 

Lusa/AO Online   Regional   11 de Dez de 2012, 06:43

O líder nacional do Partido Popular Monárquico (PPM), Paulo Estêvão, anunciou que não tenciona recandidatar-se ao cargo em 2013, por se sentir

“Posso dizer que estou exausto desse esforço que fiz, pensando nos interesses do partido, mas que não tenho possibilidades de continuar a fazer”, afirmou Paulo Estêvão em declarações à Lusa, alegando que além de residir no Corvo, uma ilha onde “só há ligações aéreas três vezes por semana”, foi reeleito, em outubro, deputado no parlamento açoriano.

Paulo Estêvão, eleito líder do PPM em 2010, apresentou “listas de unidade, constituídas sem oposição interna”, sucedendo a Gonçalo da Câmara Pereira, que se demitiu do cargo.

A nova liderança do PPM será analisada no Congresso Nacional do partido em 2013, que decorrerá depois das eleições autárquicas, sendo que compete ao Conselho Nacional do partido marcar a data e o local da reunião magna.

Para Paulo Estêvão, que diz sair de “consciência tranquila”, o PPM tem inúmeras personalidades capazes de assumir a liderança do partido, embora manifeste desde já o seu apoio ao atual vice-presidente e anterior líder nacional.

“Eu penso que o Gonçalo da Câmara Pereira, que é fundador do partido, é um ótimo candidato à liderança. Vamos a ver se ele assume esse desafio, mas se ele não assumir temos várias outras personalidades que estão em condições de assumir essa função”, salientou o líder do PPM.

Depois de pacificar o partido e unificar as estruturas nacionais, Paulo Estêvão assegurou que nos próximos anos quer concentrar-se, sobretudo, no crescimento do partido nos Açores e no desempenho das suas funções parlamentares, algo que considerou ser “incompatível” com o pleno exercício da liderança nacional do PPM.

Paulo Estêvão anunciou, ainda, que por opção pessoal o vice presidente da Comissão Política Nacional, Gonçalo da Câmara Pereira, passou a exercer, por delegação de poderes, desde 02 de dezembro, todas as competências que os estatutos reconhecem ao presidente da Comissão Política Nacional.

A delegação de poderes é efetiva no âmbito de todos os atos que se venham a realizar no território nacional, com exceção do território da Região Autónoma dos Açores, uma situação que sevai manter até à realização das eleições autárquicas, agendadas para outubro de 2013.

“Nestas eleições autárquicas é-me completamente impossível exercer a proximidade que é necessária, acompanhando todos os candidatos do partido nas 308 eleições autárquicas que vamos disputar”, disse Paulo Estêvão, acrescentando que a coordenação nacional do processo estará a cargo de Gonçalo da Câmara Pereira.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.