Passos defende abordagem realista e insiste em estratégia de médio e longo prazo

Passos defende abordagem realista e insiste em estratégia de médio e longo prazo

 

Lusa/AO Online   Nacional   3 de Jan de 2017, 07:16

O líder do PSD defendeu uma abordagem realista das questões políticas, económicas e sociais e a necessidade de "enterrar as políticas de reversão", insistindo que é preciso preparar uma estratégia de médio e longo prazo "que faça sentido".

 

"Quem quer semear para futuro e colher bons resultados tem de orientar as suas prioridades de modo diferente do que temos vindo a observar em Portugal, invertendo as políticas de navegar à vista e preparando uma estratégia de médio e longo prazo que faça sentido", lê-se num artigo de opinião do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, publicado na nova ‘newsletter' do partido, que passará a ser divulgada diariamente.

No artigo de opinião, intitulado "A necessidade de uma Agenda Reformista", Passos Coelho reitera a necessidade de deixar de lado a "encenação mediática e o eleitoralismo" e de se apostar na "transformação séria e mobilizadora da estrutura social e económica".

"O que precisamos agora é de enterrar as políticas de reversão, esperando que as que foram realizadas não nos venham a sair demasiado caro, e de colocar em cima da mesa uma agenda reformista que relance a ambição para ter um crescimento significativamente maior", refere o líder social-democrata.

Logo no início do artigo, Passos Coelho recupera as suas anteriores chamadas de atenção para a importância de ser realista na abordagem das questões políticas, económicas e sociais, concluindo que "o otimismo e o pessimismo traduzem, sobretudo, estados de espírito que nem sempre ajudam a encontrar as melhores soluções".

Pelo contrário, sustenta, a abordagem realista permite perceber melhor o ponto de partida, estabelecer um nível de ambição "plausível" e a melhorar a adequação das respostas políticas aos problemas.

"De acordo com esta abordagem realista, Portugal precisa de aproveitar melhor algumas vantagens da envolvente macroeconómica europeia e global e de aumentar a sua resiliência às incertezas políticas externas. Em ambos os casos, o tempo começa a não estar tanto a nosso favor como já esteve", argumenta o presidente do PSD, sublinhando que "o tempo não volta para trás" e cada vez há menos tempo para "tirar partido das referidas vantagens".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.