Parques de merendas às dezenas em oito das nove ilhas dos Açores

Parques de merendas às dezenas em oito das nove ilhas dos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   17 de Jun de 2016, 10:34

Há mais de meio século que os Açores constroem parques de merendas de utilização gratuita, contabilizando atualmente 91 espaços em oito das nove ilhas do arquipélago, disse hoje à agência Lusa o diretor regional Bruno Pacheco.

A propósito do Dia Internacional do Piquenique, que se assinala no sábado, o diretor regional das Obras Públicas e Comunicações, Bruno Pacheco, explicou que apenas o Corvo, a ilha mais pequena dos Açores, não tem parque de merendas.

“Um dos mais antigos, pelo que está referenciado na nossa base de dados, existe em Santa Maria desde 1965 (Florestal de Valverde). Os mais recentes são de 2016 e estão a ser construídos na Candelária (São Miguel) e Graciosa”, afirmou o responsável.

Bruno Pacheco disse que os parques de merendas nos Açores estão localizados em reservas florestais ou nas proximidades das estradas regionais, caracterizando-se por terem zonas próprias para piqueniques, churrasqueiras, parques de estacionamento e infantil, miradouros, sanitários ou equipamentos de ginásio ao ar livre.

“Mais do que zonas de merendas, são zonas de lazer”, considerou o diretor regional, acrescentando que estes equipamentos são utilizados gratuitamente durante “todo o ano por residentes e, cada vez mais, por turistas”.

No arquipélago, São Miguel é a ilha com maior número de parques de merendas - 47 no total -, alguns dos quais se destacam pela originalidade do nome, como o parque “Despe-te-que-suas” construído em 1988, “Mingachos” (2002) e “Casa do Galo” (2005).

A ilha de Santa Maria tem 12 parques de merendas, o Faial dez, a Terceira e São Jorge têm ambas sete, Pico quatro e Flores três. A Graciosa tem um e vai ter um segundo a partir da próxima semana.

Bruno Pacheco explicou que os parques de merendas inseridos em reservas florestais têm horários de funcionamento definidos, sendo no verão mais alargados, e os que ficam nas proximidades de estradas regionais “não têm horário de utilização, por se tratar de zonas abertas”.

Sem avançar valores do investimento feito ao longo dos anos nos parques de merendas, o diretor regional das Obras Públicas e Comunicações admitiu que tem havido registo de alguns problemas de vandalismo, já que estes espaços não são vigiados, o que tem obrigado à realização de obras de reconstrução em alguns.

“Temos tido alguns problemas de vandalismo, em especial na ilha de São Miguel. É uma pena, porque isso exige um esforço suplementar por parte do erário público”, disse Bruno Pacheco, assegurando que não serão esses contratempos que farão o Governo Regional “baixar os braços” ao nível da contínua melhoria e construção de novos parques de merendas nas ilhas.

Quanto à limpeza diária destes espaços de lazer, o diretor regional referiu que estão a cargo de equipas de funcionários regionais que, “a partir de maio, garantem a limpeza dos parques de merendas mais do que uma vez por dia”, bem como a colocação de madeira nas churrasqueiras.

Além dos 91 parques de merendas da responsabilidade do Governo Regional, também existem nos Açores equipamentos do mesmo tipo que são de responsabilidade municipal.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.