Oposição nos Açores acusa Governo Regional de esconder da Unesco ilhas reserva da biosfera


 

LUSA/AO online   Regional   9 de Set de 2014, 14:18

Os cinco partidos da oposição no parlamento dos Açores acusaram hoje o Governo Regional socialista de querer "esconder o lixo" e ter "vergonha" de mostrar à Unesco as ilhas classificadas como reserva da biosfera

Em causa está o encontro mundial de reservas da biosfera da Unesco (a Organização das Nações Unidas para a Ciência, Educação e Cultura) que decorrerá nos Açores este mês, em ilhas não classificadas e sem incluir aquelas a quem foi reconhecido o estatuto (Graciosa, Flores e Corvo).

"Temos motivos para suspeitar que a Direção Regional do Ambiente e a Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente pretendem esconder, por exemplo, as lixeiras a céu aberto que se mantêm nas ilhas que são reserva da biosfera", disse a deputada do Bloco de Esquerda, Zuraida Soares, que levou o assunto ao plenário açoriano através de um "voto de protesto".

O Governo Regional não pode intervir em debates de votos e por isso coube à bancada do PS responder.

A deputada socialista Marta Couto negou "qualquer intenção de minorar o papel" das ilhas classificadas pela Unesco e justificou a opção de fazer o encontro noutras com o objetivo de afirmar as suas "potencialidades" e lançar a candidatura das fajãs de São Jorge a reserva da biosfera.

Marta Couto sublinhou que os produtos das ilhas classificadas serão promovidos durante o evento e que não há "nada a esconder" na Graciosa, Flores e Corvo, uma vez que se os participantes no encontro as visitassem poderiam, justamente, verificar que estão em curso os procedimentos de selagem das lixeiras que ainda existem, processo que ficará concluído "em breve".

A oposição não ficou convencida com estas explicações, insistindo em que são várias as medidas e projetos que deviam estar no terreno nas três ilhas classificadas. Para estes partidos, se os responsáveis da Unesco verificassem que os projetos não estão a ser adotados, ficaria em risco o estatuto de reservas da biosfera da Graciosa, Flores e Corvo.

Depois de terminado o debate, o Governo Regional divulgou um esclarecimento em que diz "orgulhar-se das nove ilhas do arquipélago" e rejeita "liminarmente as insinuações proferidas".

O executivo regional sublinha que a realização nos Açores do 12.º Encontro Internacional da REDBIOS (Rede das Reservas da Biosfera do Atlântico), de 22 a 26 de setembro, "insere-se no processo de candidatura" das fajãs de São Jorge àquela classificação.

Assim, a ilha de São Jorge receberá, no âmbito daquele encontro, o seminário “Reservas da Biosfera – Um contributo para o desenvolvimento local” e "três mostras de produtos das atuais" reservas da biosfera dos Açores, "promovendo estas ilhas e os seus produtos no exterior", lê-se no mesmo esclarecimento.

O executivo açoriano lembra ainda que as empreitadas com vista à selagem das lixeiras na Graciosa e Flores "foram recentemente adjudicadas, em concurso público internacional". Os prazos de execução são 120 dias e foram já "assinados os respetivos contratos, aguardando-se os vistos do Tribunal de Contas para que se proceda à sua consignação".

Quanto ao aterro do Corvo, o projeto de selagem foi alterado para passar "a incluir um aterro para resíduos de construção e demolição", estando "a ser preparado o procedimento de concurso público destinado à adjudicação da empreitada, a concluir ainda em 2014, de forma a que a obra tenha início no primeiro trimestre de 2015".

 

*notícia atualizada às 16h10



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.