Junta espera que 'novo' Monte Palace potencie o turismo nas Sete Cidades

Junta espera que 'novo' Monte Palace potencie o turismo nas Sete Cidades

 

Lusa/AO online   Regional   29 de Nov de 2017, 16:54

A Junta de Freguesia das Sete Cidades, nos Açores, manifestou-se esta quarta-feira satisfeita com a compra do hotel Monte Palace, encerrado há 27 anos e devoluto, esperando que o investimento potencie o turismo e crie postos de trabalho.


“Sempre fui apologista da reabilitação do hotel, em vez de demolir. E da forma como está degradado não é vantajoso e só destrói a paisagem e até pode representar perigo”, afirmou a presidente da Junta de Freguesia das Sete Cidades, Cidália Pavão, em declarações à agência Lusa.

Para a presidente da Junta de Freguesia, com cerca de 800 habitantes, a recuperação do hotel pode trazer mais turismo às Sete Cidades, que dista 15 minutos da Vista do Rei, onde está localizado o antigo hotel, esperando que o grupo recrute mão-de-obra local.

Cidália Pavão considerou que a recuperação "não deverá mexer na estrutura do hotel", embora desconheça o projeto.

A Level Constellation, uma promotora imobiliária fundada em 2014 por seis empresários chineses, anunciou a aquisição do antigo hotel Monte Palace, o primeiro de cinco estrelas dos Açores, localizado em São Miguel, e que em 1990 venceu o prémio de Melhor Hotel do Ano em Portugal.

Um comunicado, o grupo sublinha que a aquisição "materializa a anunciada diversificação de investimentos da empresa em Portugal e a sua incursão no turismo", acrescentando que "se pretende desenvolver para o ativo um projeto de referência, no qual já se encontra a trabalhar".

Sem adiantar o valor da compra, o diretor geral, Pedro Vicente, referiu à Lusa que "o projeto será anunciado em 2018 numa apresentação formal".

“Estamos a trabalhar arduamente sobre isso”, sustentou ainda o diretor geral da Level Constellation, promotora imobiliária que refere já ter investido no setor imobiliário nacional cerca de 70 milhões de euros com o Park Avenue, Ouro Grand e off Liberdade, e se prepara para lançar no mercado o Classica, na Avenida da República, 40, em Lisboa.

Fonte da Câmara Municipal de Ponta Delgada disse à Lusa que “o projeto ainda não deu entrada oficial” na autarquia, mas considera ser um investimento "muito importante para a nova imagem do local" e “uma mais-valia para o turismo e oportunidade de emprego”.

Quanto ao que é permitido edificar, a mesma fonte explicou que “é autorizada a recuperação e ou reconversão do edifício”.

O hotel, localizado na Vista do Rei, Sete Cidades, propriedade do BANIF na sequência de uma penhora ao Grupo SIRAM, foi inaugurado em 1989 na ilha de S. Miguel e empregava mais de cem pessoas, mas fechou pouco tempo depois por ausência de lucro.

O edifício de cinco pisos tinha dois restaurantes, três salas de conferência, uma discoteca, uma loja, 88 quartos, 52 suites juniores, 27 quartos duplos, quatro quartos duplos com saleta, quatro suites de luxo e uma suite presidencial.

O hotel, localizado junto ao miradouro da Vista do Rei, com vista sobre a Lagoa das Sete Cidades, teve até 2010 segurança em permanência, mas ficou posteriormente ao abandono, sendo vandalizado e saqueado.

O grupo Level Constellation destaca que o edifício do Monte Palace "tem 14.000 metros quadrados de área de construção, incorporando a propriedade 50 hectares de vegetação natural, constituída, maioritariamente, por criptomérias, com vista deslumbrante para a Lagoa das Sete Cidades, o mais importante ex-libris dos Açores", o que conferem ao conjunto "uma notoriedade internacional".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.