Instituição de apoio a deficientes nos Açores vai ter novo centro de atividades


 

Lusa/AO online   Regional   7 de Jul de 2016, 11:58

A Associação Seara do Trigo que apoia pessoas com deficiência, conta iniciar no final do ano as obras de requalificação do seu centro de atividades ocupacionais (CAO), investimento de um milhão de euros há muito ambicionado.

 

"As instalações atuais eram já desadequadas e não tinham capacidade para a resposta social nesta área. Desde a inauguração que era urgente fazer obras, mas nunca foi possível", afirmou o presidente da instituição, Mário Jorge Carvalho, em declarações à agência Lusa.

As obras vão ser apoiadas pelo Governo Regional por via de um contrato de cooperação com a associação, prevendo uma comparticipação até 1,2 milhões de euros com o objetivo de assegurar o financiamento necessário à requalificação do CAO, com a construção de novas instalações, em Ponta Delgada.

A Associação Seara do Trigo, com sede na cidade de Ponta Delgada, ilha de São Miguel, dá apoio a 70 utentes na valência do CAO, que funciona das 08:00 às 18:00, exceto aos sábados, domingos e feriados, dispondo, ainda, desde dezembro, de 2015, de um lar residencial para pessoas portadoras de deficiência com capacidade para 16 utentes.

A Seara do Trigo, que integra a rede de instituições particulares de solidariedade social (IPSS), dispõe, igualmente, de uma equipa que integra vários técnicos, incluindo psicólogos e técnicos de reabilitação, e dá apoio a pessoas com deficiência exteriores à instituição.

Mário Jorge Carvalho sublinhou a importância da requalificação do CAO, que atualmente "não dispõe de condições condignas às respostas de qualidade para apoio a estas pessoas com deficiências", acrescentando que a instituição entrega "na próxima semana na Câmara de Ponta Delgada o projeto de especialidade das obras".

Admitindo que os trabalhos possam arrancar no final do ano, o responsável destacou que, "com essas obras, há a possibilidade de aumentar de 70 para 75 o número de utentes no CAO, o que ainda não é garantido".

Mário Carvalho defendeu a necessidade de atualizar "os valores dos contratos de cooperação com as IPSS" ou, "então, atribuir um valor cliente padrão que seja suficiente para pagar despesas com funcionários".

"No caso da Seara do Trigo, 81% das despesas é para pagar salários, que estão sempre a ser atualizados", disse.

O presidente da associação considerou igualmente prioritária a construção de um centro de atividades ocupacionais na vila de Capelas, no concelho de Ponta Delgada, para dar resposta às "inúmeras solicitações" daquela zona norte da ilha de São Miguel, indicando que a Seara do Trigo tem uma lista de espera "de cerca de 20 utentes".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.