Homenagem aos portugueses mortos na Grande Guerra é uma reparação histórica

Homenagem aos portugueses mortos na Grande Guerra é uma reparação histórica

 

Lusa/AO online   Nacional   9 de Abr de 2018, 15:10

O Presidente da República afirmou esta segunda-feira que a homenagem aos portugueses mortos na Batalha de La Lys, prestada em França, constitui uma “reparação histórica” porque a visão da participação de Portugal na Primeira Guerra não era justa.

“Foi uma homenagem emocionante, uma reparação histórica porque durante muito tempo se fez a história desta batalha e da participação portuguesa [na Primeira Guerra Mundial] de acordo com a visão de outros e essa visão não era justa para Portugal, nem para os combatentes portugueses”, disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas.

Para o chefe de Estado “finalmente se está a fazer a história do que se passou de facto, do sacrifício, da dedicação, da coragem” dos oficiais e dos soldados do Corpo Expedicionário Português que chegaram a França em janeiro de 1917 para combater ao lado dos aliados.

A Batalha de La Lys foi uma das mais mortíferas da história militar português, provocando mais de 7.000 vítimas entre mortos, feridos e prisioneiros.

Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda o facto de o Presidente francês ter estado nas cerimónias no cemitério militar português de Richebourg, no norte de França, referindo que foi particularmente emocionante estar ali com Emmanuel Macron, uma presença "intensa, vivida e longa, sacrificando um programa que tinha em Paris”.

Referindo que muitos não conhecem a história da batalha, o chefe de Estado considerou ainda que é preciso recuperar essa memória, apagada também pela ditadura.

“Fez parte da lógica da ditadura apagar a história da Grande Guerra uma vez que ela nasceu largamente de um movimento militar crítico com a situação vivida em Portugal e que não guardou uma boa memoria da Grande Guerra e, por isso, em décadas essa memória não foi devidamente prestigiada respeitada e até mesmo contada”, considerou.

Nesse sentido, Marcelo Rebelo de Sousa disse esperar que possa ser possível, em novembro, quando se celebra o fim da Primeira Guerra Mundial, “recuperar-se uma tradição que é a homenagem junto do monumento dos heróis da Grande Guerra na Avenida da Liberdade [em Lisboa], com uma grande homenagem militar”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.