Governo sublinha potencial turístico das reservas da biosfera

Governo sublinha potencial turístico das reservas da biosfera

 

Lusa/AO online   Regional   22 de Set de 2014, 18:25

O secretário regional da Agricultura e Ambiente dos Açores, Neto Viveiros, sublinhou que as zonas classificadas como reserva da biosfera poderão potenciar o turismo no arquipélago, mas admitiu que ainda há "muito trabalho" a fazer.

 

"É uma forma de publicitar os Açores, de chamar gente, e uma garantia de que aqui são preservados valores ambientais e valores culturais, que hoje em dia fazem parte dos destinos turísticos mais importantes do mundo", sublinhou Neto Viveiros, que falava na ilha do Faial, na sessão de abertura do 12.º Encontro Internacional RedBios ((Rede das Reservas da Biosfera do Atlântico).

Neto Viveiros admitiu que, no entanto, há ainda "muito trabalho" a fazer para aproveitar as potencialidades geradas com a classificação de reservas da biosfera da Unesco (a agência das Nações Unidas para a Educação, Cultura e Ciência) das ilhas da Graciosa, Flores e Corvo.

Algumas destas ilhas ainda possuem problemas ambientais, como a existência de lixeiras a céu aberto, que o Governo Regional tem vindo, aos poucos, a resolver, com a criação de centros de processamento de resíduos.

"Se a questão da conservação está no bom caminho, vamos tentar agora criar mecanismos de atrair investimento para as reservas", defendeu, por seu turno, António Abreu, presidente da RedeBios, lembrando que as reservas da biosfera "não são apenas para os passarinhos e para as plantinhas, são também para as pessoas".

No seu entender, é necessário agora trazer "valor acrescentado" a estas regiões, nomeadamente com o desenvolvimento do turismo e com a criação de "emprego qualificado".

A 12.ª Reunião Internacional da RedBios vai decorrer no Faial, Pico e São Jorge, mas não vai passar por nenhuma das ilhas já classificadas como reserva da biosfera, o que gerou críticas por parte de entidades e autoridades locais e dos partidos da oposição no parlamento dos Açores.

O representante no encontro da Divisão de Ciências Ecológicas da Unesco, Miguel Clusener-Godt, disse aos jornalistas, em reação a essas críticas, que não veio aos Açores para fazer turismo.

"Eu não penso que sempre que houver uma reunião de especialistas nos Açores, tenhamos de ir a todas a ilhas. Isto não é turismo, isto é trabalho", insistiu.

Miguel Clusener-Godt revelou ainda que a Unesco tem um sistema de monitorização das zonas já classificadas comos reserva da biosfera que acompanha o desenvolvimento de cada região sem ser necessário deslocar-se presencialmente ao local.

Os cinco partidos da oposição no parlamento açoriano acusaram o Governo Regional, no início deste mês, de ter vergonha de mostrar aos técnicos da Unesco as ilhas classificadas e querer esconder as lixeiras que ainda subsistem.

O Governo Regional rejeitou, num esclarecimento, "as insinuações" da oposição e sublinhou que a realização nos Açores deste encontro da REDBIOS "insere-se no processo de candidatura" das fajãs de São Jorge à classificação de reservas da biosfera.

O executivo lembrou ainda que as empreitadas com vista à selagem das lixeiras na Graciosa e Flores "foram recentemente adjudicadas” e que quanto ao aterro do Corvo, o projeto de selagem foi alterado para passar "a incluir um aterro para resíduos de construção e demolição", estando "a ser preparado o procedimento de concurso público destinado à adjudicação da empreitada, a concluir ainda em 2014”.

Existem 631 reservas da biosfera em todo o mundo, repartidas por 119 países. Em Portugal, há sete: Berlengas (Peniche), Gerês-Xurés (transfronteiriça), Paul Boquilobo (Golegã), Santana (Madeira), Corvo, Flores e Graciosa.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.