Governo açoriano quer aumentar produção de leite para salvar cooperativa nas Flores

Governo açoriano quer aumentar produção de leite para salvar cooperativa nas Flores

 

Lusa/AO Online   Regional   18 de Set de 2014, 06:41

O secretário regional da Agricultura e Ambiente defendeu hoje o aumento da produção de leite das Flores em mais de um milhão de litros como forma de viabilizar a cooperativa Ocidental.

“Nós estamos neste momento com 600 mil litros anuais e a perspetiva que temos é de aumentar pelo menos um milhão de litros de leite”, declarou Luís Neto Viveiros.

O titular da pasta da Agricultura, que se reuniu hoje com a Associação Agrícola das Flores, pretende atingir esta meta dentro de cerca de um ano, tendo declarado que a ilha tem na cooperativa Ocidental, que enfrenta dificuldades financeiras, um “agente dinamizador da produção e do fabrico de queijo de muito boa qualidade”.

“A cooperativa ocidental atravessa, de facto, um período difícil, que o Governo Regional tem acompanhado desde há algum tempo, disponibilizando um técnico que acompanha diariamente a sua gestão, tentando encontrar novos caminhos e modificar alguns procedimentos que permitam um novo arranque”, declarou o secretário regional da Agricultura e Ambiente.

Luís Neto Viveiros identifica como principal problema da cooperativa Ocidental o “decréscimo muito relevante da produção de leite que se verificou nos últimos cinco anos”, daí a “necessidade imperiosa” de aumentar a produção de leite nas Flores.

“Isso passa pelo empenhamento direto e decidido dos produtores de leite das Flores. Neste momento, estamos com níveis muito baixos que não viabilizam a fábrica atual”, frisou.

Luís Neto Viveiros reiterou que o Governo Regional não vai injetar diretamente capital na cooperativa Ocidental e, à semelhança do que fez noutras ilhas, está disponível para encontrar soluções, dando o exemplo dos sucessos de intervenção na ilha do Pico e São Jorge.

“O Governo Regional não vem às Flores passar um cheque para pagar as dívidas que a cooperativa tem e provocou ao longo dos últimos anos, mas sim numa perspetiva diferente de encontrar caminhos sustentáveis que permitam que o futuro seja mais risonho”, referiu o governante.

O líder do PCP nos Açores desafiou em agosto o Governo Regional a encontrar novas metodologias de relacionamento e responsabilização com o setor cooperativo para o ajudar a ultrapassar as dificuldades que atravessa.

Já este mês de setembro, o PSD/Açores defendeu uma intervenção urgente no setor agrícola na ilha das Flores, apontando o caso da Cooperativa Ocidental que atravessa “uma situação muito complexa”, mas possível de se resolver caso haja vontade política.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.