Açores/Eleições

Freguesia com menos população do país é apenas procurada 15 dias antes do sufrágio

Freguesia com menos população do país é apenas procurada 15 dias antes do sufrágio

 

Lusa/AO Online   Regional   6 de Out de 2016, 08:45

Mosteiro, na ilha das Flores, é a freguesia com menos população do país, habitada por apenas 30 pessoas, e é procurada, politicamente falando, 15 dias antes das eleições.

 

“Nós vivemos 365 dias por ano nesta terra, temos as nossas dificuldades, temos os nossos problemas, mas infelizmente só somos procurados 15 dias antes das eleições. É a realidade nua e crua”, disse hoje à agência Lusa a presidente da Junta de Freguesia, Isabel Tenente.

Ressalvando que esta atitude não é de “todos aqueles que concorrem”, Isabel Tenente declarou, em conversa telefónica, que há outros candidatos porém que “pelo caminho se lembram que existe gente nesta terra 15 dias antes das eleições”.

Além de 30 habitantes, quatro dos quais em idade escolar, Mosteiro tem também recenseados 30 eleitores, 26 deles moram na freguesia.

“A diferença entre o número de habitantes e eleitores é devido a alguns eleitores estarem a viver noutras freguesias da ilha, mas continuarem a manter cá a sua residência”, explicou a autarca, empresária no setor agrícola, de 35 anos.

Candidata única, eleita em plenário de cidadãos em 2013 na qualidade de independente, Isabel Tenente advertiu que “estes 30 votos fazem toda a diferença”, pois “por um se ganha, por um se perde”.

Segundo a autarca, “dado o trabalho que tem sido feito pelos deputados” no parlamento regional, para o qual os açorianos são chamados a votar no próximo dia 16, há “muita gente desinteressada e muita gente a comentar que nem irá votar”, sendo que neste caso “muita” deve ser medida na mesma proporção do número de eleitores.

“Acho que o trabalho desenvolvido [no parlamento] não foi o melhor. Há coisas bem simples que podiam ser resolvidas e ser feitas e podia haver uma voz pela nossa ilha, pelo nosso concelho, pelas nossas freguesias que muitas vezes não existe”, considerou.

Distando cerca de 11 quilómetros da sede de concelho, Lajes das Flores, Mosteiro fica longe, para uma “população envelhecida”, como distantes ficam algumas das reivindicações de uma freguesia que não tem um café ou uma mercearia e das casas apenas 11 são habitadas.

Isabel Tenente contou que a freguesia, de seis quilómetros quadrados, “tem igreja, sede da junta, Império do Espírito Santo” e garantida “a distribuição de pão todos os dias e autocarro nos dias úteis”.

“A freguesia tem muitas necessidades como qualquer outra, o que eu tenho batalhado e finalmente parece que vai acontecer, é o acesso do ramal à freguesia que tem estado num estado lastimável e já se vem a arrastar há muitos anos”, apontou, acreditando que, como “estão a iniciar obras”, estas deverão ser concluídas ainda este ano.

Isabel Tenente referiu que “a maior dificuldade é ao nível de comunicações”, assinalando que no início do ano um temporal partiu uma antena e, apesar das diligências junto da operadora e da ANACOM - Autoridade Nacional de Comunicações, o problema persiste.

“Quem estiver dentro de casa está fora de questão ter rede da Vodafone”, declarou, criticando, igualmente, a lentidão da Internet, que faz parecer que a freguesia está “na Pré-História”, mas recebeu agora a informação de que este problema “poderá estar resolvido até ao final do mês”.

Para Isabel Tenente, “se a freguesia tivesse comunicações em condições estava mais perto do mundo”.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.