Desembarque das tropas liberais em S. Miguel recriado em agosto

Desembarque das tropas liberais em S. Miguel recriado em agosto

 

Lusa/AO Online   Regional   30 de Jul de 2015, 11:22

O desembarque das tropas liberais na Achadinha, ilha de S. Miguel, Açores, em 1831, vai ser recriado, em agosto, por dezenas de amadores, num evento que pretende atrair mais pessoas à freguesia, disse hoje o presidente da Junta.

“A ideia foi lançada pelo historiador Paulo Soares e a Junta de freguesia agarrou nela, com apoio da Câmara do Nordeste”, afirmou António Cabral Medeiros à agência Lusa, acrescentando que “todos os participantes são amadores e estão empenhados”.

A 01 de agosto comemoram-se 184 anos do desembarque em S. Miguel das tropas liberais vindas da ilha Terceira, no assalto final contra o último reduto Miguelista nos Açores, no contexto da Guerra Civil Portuguesa (1828–1834).

Desde 1957 que a Achadinha tem um monumento chamado “Padrão das Almas”, que foi erigido para prestar homenagem às vítimas deste episódio histórico e nele foi incluído um azulejo retirado de uma pequena ermida dedicada a São Bento, que existiu outrora no local onde hoje figura a igreja paroquial de Nossa Senhora do Rosário.

“À uma da tarde (do dia 01 de agosto) vamos tentar fazer uma recreação do desembarque das tropas liberais. Se o mar deixar, vão desembarcar do barco os soldados na praia. Será uma simulação do que se passou em 1831”, disse o presidente da Junta, precisando que se trata de uma iniciativa que acontece pela primeira vez na freguesia.

António Cabral Medeiros manifestou-se convicto que a iniciativa irá atrair à Achadinha, freguesia com pouco mais de 500 habitantes, muitos visitantes locais e turistas, uma vez que o programa inclui várias atividades para além da recriação histórica.

Segundo o presidente da Junta de Freguesia, no dia 01 de agosto, haverá logo de manhã um torneio de pesca desportiva, um trilho pedestre, limpeza da orla costeira e pelas 14:00 (mais uma hora no continente) um almoço gratuito com produtos locais.

“O peixe que se apanha (no torneio), ou vai para se fazer uma caldeirada ou para sopa de peixe para oferecer a quem estiver presente. Teremos, também, um porco no espeto”, adiantou António Cabral Medeiros.

O presidente da Junta de Freguesia destacou, ainda, o facto de o trilho pedestre “Terras de Nosso Senhor” estar todo arranjado e a praia local estar com muita areia e ter, atualmente, “condições excelentes” para os banhistas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.