Chuva transformou ruas da Pedreira em rio de lama, troncos e pedras

Chuva transformou ruas da Pedreira em rio de lama, troncos e pedras

 

LUSA/AO online   Regional   3 de Set de 2015, 13:47

A chuva da última madrugada transformou as ruas da Pedreira, no Nordeste, na ilha de S. Miguel, Açores, num rio de lama, troncos e pedras que entrou por várias casas dentro e levará dias a limpar

A estrada que desce até à parte mais baixa da Pedreira ameaça ruir de um dos lados na última curva da descida, onde houve uma derrocada durante a madrugada, um carro preto foi atirado para a ribeira ali ao lado e chegaram a cair postos de eletricidade.

No topo da encosta, foi um troço da estrada regional que ficou destruída e ficará cortada durante uns dias, estima o presidente da Câmara do Nordeste, Carlos Mendonça, enquanto fala com os jornalistas em frente das casas mais afetadas por este dilúvio da madrugada.

Num balanço “muito preliminar”, as responsáveis pelo Instituto de Solidariedade Social dos Açores que andam a percorrer a zona e a falar com os moradores, dizem que há três casas destruídas e outras dez com danos nos móveis do interior.

Três famílias foram realojadas e os afetados só não foram mais porque algumas das habitações varridas pela lama estavam sem moradores, por estarem emigrados.

É o que acontece com os vizinhos de Márcia Sousa, 30 anos, que passou a noite a fazer barreiras com o marido para evitar uma inundação de lama. Conseguiu, mas as casas que tem ao lado, coladas às suas paredes, não tiveram a mesma sorte, por estarem vazias.

Apesar de os donos estarem longe, as casas estão cheias de pessoal dos serviços municipais e de vizinhos solidários, que varrem porta fora a lama e retiram de dentro móveis e outros bens e os lavam com mangueiras na rua, tentando salvar o que é possível. Mais tarde, são levados pela Câmara para local seguro e fechado.

Márcia Sousa explica que a água chegou ao nível das janelas e foi uma “coisa muito séria”, porque vinha cheia de força, pedras e madeira.

Os relatos de quem vive ali repetem-se: houve quem acordasse de noite para ir à casa de banho e tenha posto os pés no chão do quarto cheio de lama, outros passaram horas a desviar pedras e troncos dos carros estacionados na rua para os salvar de ir encosta abaixo.

Segundo o presidente da Câmara do Nordeste, começou a chover com intensidade por volta da meia-noite, assim continuou durante algumas horas e “as ribeiras não aguentaram”. Estima que choveu também muito na zona da montanha, por causa dos troncos de árvores arrancados que desceram encosta abaixo e chegaram à Pedreira.

Apesar dos danos materiais bem visíveis em estradas, caminhos e casas, não há vítimas registadas.

O presidente da Câmara diz que solicitou a abertura do centro de saúde durante a noite e foi para lá que foram levadas sete pessoas com casas afetadas pela enxurrada e necessidade de assistência psicológica.

Além das três famílias da Pedreira, foram também realojados temporariamente em casas de familiares dois idosos, que viviam em casas separadas na vila do Nordeste que tiveram inundações.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.