Bolsas europeias em baixa à espera da reunião do Eurogrupo


 

Lusa/AO Online   Economia   7 de Jul de 2014, 10:17

As principais bolsas europeias abriram hoje em baixa, depois da "melhor semana" para os mercados desde março último e à espera da reunião do Eurogrupo.

Cerca das 09:05 em Lisboa, o Euro Stoxx 50, índice que representa as principais empresas da zona euro, estava em baixa, a descer 0,15% para 3.265,57 pontos.

As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt estavam a descer 0,03%, 0,37% e 0,07%, enquanto as bolsas de Madrid e Milão estavam a cair 0,19% e 0,10%.

Em sentido contrário, depois de ter iniciado o dia em alta, a Bolsa de Lisboa mantinha a tendência e, cerca das 09:05, o principal índice, o PSI20, estava a subir 0,36%, para 6.856,04 pontos.

Em Nova Iorque, Wall Street terminou em alta na quinta-feira, com o Dow Jones a atingir o terceiro máximo de sempre consecutivo e a ultrapassar pela primeira vez a barreira dos 17.000 pontos. O Dow Jones terminou a subir 0,54% para 17.068,30 pontos, um novo máximo de sempre desde que foi criado há 128 anos.

Wall Street esteve fechada na sexta-feira devido à comemoração dos 238 anos de independência dos Estados Unidos.

Ao nível cambial, o euro abriu hoje em baixa no mercado de divisas de Frankfurt, a cotar-se a 1,3580 dólares, contra os 1,3589 dólares no encerramento da sessão anterior.

O Banco Central Europeu (BCE) fixou na sexta-feira o câmbio de referência da divisa europeia em 1,3588 dólares.

Além da reabertura de Wall Street, os investidores vão estar atentos à reunião do Eurogrupo que vai abordar o cumprimento dos compromissos da Grécia, os avanços para a criação do supervisor bancário único da zona euro e a entrada da Lituânia no euro.

Durante a reunião, o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, vai explicar aos homólogos europeus a reforma fiscal do país vizinho.

Entretanto, na reunião mensal de quinta-feira passada, o Conselho de Governadores do BCE deixou inalteradas as medidas de política monetária anunciadas em junho.

A 05 de junho, o BCE tinha cortado a taxa de juro diretora em 0,10 pontos percentuais para o novo mínimo histórico de 0,15% e anunciou a realização de duas injeções de liquidez de longo prazo (quatro anos), em setembro e dezembro deste ano, no valor de 400 mil milhões de euros, destinadas a serem emprestadas pela banca a empresas e famílias.

O barril de petróleo Brent, para entrega em agosto, abriu hoje em alta ligeira, a cotar-se a 110,65 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, mais 0,06% do que no encerramento da sessão anterior.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.