Amado diz que Europa vive "em insularização" devido a fracasso da política europeia

Amado diz que Europa vive "em insularização" devido a fracasso da política europeia

 

LUSA/AO Online   Nacional   26 de Mar de 2017, 14:27

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Luís Amado considera que a Europa vive um "contexto de 'insularização'", com "todas as suas fronteiras em conflito ou em tensão", o que representa "o fracasso" da política europeia de vizinhança.

"A Europa perdeu o controlo sobre o seu destino, em grande parte. Tem todas as suas fronteiras ou em conflito ou em tensão. Se olharmos para a fronteira Leste, a relação com a Rússia é muito difícil; as relações com a Turquia e o Médio Oriente são de uma enorme perigosidade; o norte de África está em tensão", disse Amado em entrevista ao Jornal de Negócios e à rádio Antena 1. Na fronteira Atlântica, o antigo chefe da diplomacia portuguesa (de 2006 a 2011) recordou que a relação da Europa "com o tradicional aliado americano está sob o escrutínio" de uma mudança política, a nova administração de Donald Trump, "que ninguém sabe para onde nos orienta". "Portanto a Europa está num contexto de 'insularização' relativamente às relações de vizinhança, que reflete, do meu ponto de vista, o fracasso da política europeia de vizinhança da última década", completou Luís Amado. O também ex-ministro da Defesa Nacional comentou ainda as recentes declarações do presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem, quando este - numa referência aos países do sul da Europa, que foram alvo de auxílio externo - disse que "não se pode gastar todo o dinheiro em copos e mulheres e depois pedir ajuda". "Algumas dessas declarações são irresponsáveis, do meu ponto de vista. Precisamente porque os fatores de coesão, num contexto de desintegração e fragmentação que se vive, têm que partir dos principais responsáveis políticos", disse Amado. Para o ex-MNE, "há muita desorientação nos círculos da elite do poder europeia, que perdeu o controlo da situação e que sente muitas dificuldades neste momento em posicionar-se, designadamente em relação a problemas fundamentais, como o de garantir a coesão". Ainda assim, Luís Amado descarta a possibilidade de o projeto europeu "pura e simplesmente colapsar". "Não há condições para que o projeto europeu não tenha continuidade. Mas tem de haver aqui um equilíbrio entre o que são as realidades nacionais, os seus interesses, e a visão de um interesse estratégico comum que seja o mínimo denominador do processo de integração", disse. Na mesma entrevista, para o programa Conversa Capital, o antigo presidente executivo do BANIF considerou "absolutamente exigente" a necessidade de o Estado proteger a Caixa Geral de Depósitos (CGD). "Acho que é preciso proteger a Caixa, que é uma grande instituição de referência no sistema financeiro nacional, e já não temos muitas de referência a nível nacional", sublinhou Luís Amado. Para o antigo banqueiro, esta necessidade é mais premente devido à "existência de fortíssimas instituições financeiras na economia espanhola", que lhe dão uma vantagem face a Portugal "no processo de integração da economia ibérica".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.