Açores criam "regime de convenção" com médicos para consultas em ilhas sem hospital

Açores criam "regime de convenção" com médicos para consultas em ilhas sem hospital

 

Lusa/AO Online   Regional   17 de Dez de 2014, 15:38

O secretário regional da Saúde dos Açores revelou hoje a criação de um "regime de convenção" com médicos para assegurar consultas de especialidade nas seis ilhas sem hospital.

“Este regime de convenção poderá ser concretizado através da deslocação dos médicos às unidades de saúde para consultas presenciais ou através da telemedicina, sendo igual o preço a pagar por consulta”, afirmou Luís Cabral, citado num comunicado oficial.

Segundo a nota, Luís Cabral falava na Graciosa, onde hoje se reuniu com a administração da Unidade de Saúde da Ilha, a primeira da região a avançar com esta possibilidade de celebração de convenções com médicos, estando já publicadas as referentes a consultas de urologia, pneumologia e dermatologia.

No caso da dermatologia, o executivo açoriano revela que uma médica que trabalha no continente manifestou interesse nestas convenções e "fará todas as triagens de consultas nesta especialidade com as unidades de saúde da região", modelo que poderá ser alargado a outras áreas.

Também os três hospitais dos Açores, que ficam nas ilhas de São Miguel, Terceira e Faial, poderão usar o novo regime, "através de convenções com médicos do exterior, também com recurso a regime de telemedicina ou consultas presenciais, em áreas em que não consigam dar resposta com recursos próprios", refere a mesma nota.

As ilhas dos Açores sem hospital, onde há médicos de medicina geral e familiar, mas onde, genericamente, não há outros especialistas, têm vindo a queixar-se da diminuição das deslocações de clínicos às suas unidades de saúde para realizarem consultas de especialidade.

A Secretaria Regional da Saúde alterou este ano as regras para o pagamento das deslocações dos médicos às ilhas em hospital, o que originou protestos por parte destes profissionais e levou a negociações com os sindicatos, que culminou com um acordo anunciado publicamente no final de maio.

Na sua ida hoje à Graciosa, Luís Cabral esteve, por outro lado, na inauguração do posto de farmácia que a Misericórdia de Angra do Heroísmo (da vizinha ilha Terceira) abriu em Santa Cruz da Graciosa.

Este posto abriu na sequência das queixas da população da Graciosa em relação à reiterada falta de medicamentos na única farmácia da ilha.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.