Açores criam programa para combater insucesso escolar com metas a cinco e dez anos

Açores criam programa para combater insucesso escolar com metas a cinco e dez anos

 

Lusa/AO Online   Regional   27 de Abr de 2015, 17:07

Governo Regional dos Açores vai implementar um programa de combate ao insucesso escolar com metas a cinco e dez anos que prevê um maior acompanhamento dos alunos que apresentem dificuldades de aprendizagem desde o primeiro ciclo.

"A promoção do sucesso escolar é um dos grandes desafios com que nós estamos confrontados e da parte do Governo nós não só o encaramos de frente, sem subterfúgios, sem qualquer tipo de postura de tentar menorizar a dimensão desta tarefa, mas também fazemo-lo com determinação", salientou hoje o presidente do executivo dos Açores.

Vasco Cordeiro falava na apresentação do Plano Integrado para a Promoção do Sucesso Escolar - Pró-Sucesso, em Angra do Heroísmo.

O presidente do executivo açoriano defendeu que o combate ao insucesso escolar é importante não só para a comunidade escolar, mas para o "futuro dos Açores" e da autonomia, convocando a sociedade açoriana a assumi-lo como uma "prioridade de toda a região".

Vasco Cordeiro alertou, no entanto, que este plano não tem "resultados instantâneos".

"Este é um trabalho que exige tempo, é um trabalho de persistência, é um trabalho de determinação, é um trabalho de coragem", frisou.

A taxa de abandono escolar precoce nos Açores situa-se atualmente nos 32,8%, sendo a mais elevada a nível nacional, prevendo a estratégia europeia 2020 a sua erradicação.

O Pró-Sucesso apresenta duas metas, uma para o ano letivo 2020-2021, que pretende dar resposta às exigências da União Europeia, e outra para 2025-2026.

Até 2020, o executivo açoriano quer que a taxa de transição do 1.º ciclo seja de 90%, no 2.º ciclo de 86%, no 3.º ciclo de 80%, a entrada para a universidade de 75% e a conclusão de cursos profissionais de 73%.

No espaço de dez anos, a meta estabelecida é de uma taxa de transição do 1.º e do 2.º ciclos de 95% e no 3.º ciclo de 90%, enquanto a transição para a universidade e a conclusão de cursos profissionais se deve situar nos 85%.

O plano prevê ainda um aumento da taxa de frequência do pré-escolar para crianças com três e quatro anos de idade.

Para além de combater o abandono escolar precoce, o plano prevê que um maior número de alunos complete a sua formação em 12 anos de escolaridade, por isso, vai arrancar já no próximo ano letivo o programa "Apoio mais, retenção zero".

"O objetivo é que de facto nos anos não terminais de ciclo a retenção seja absolutamente residual ou mesmo inexistente, com mais apoio, com melhor ensino, com melhor aprendizagem e, caso haja retenção, no último ano do ciclo, esta repetição seja feita de forma inovadora e com outra organização", frisou a diretora regional da Educação Fabíola Cardoso.

O combate ao insucesso escolar vai focar-se sobretudo nos primeiros anos de estudo, por isso, vão existir nas escolas "professores qualificados na resolução de dificuldades de aprendizagem".

"Serão docentes que vão receber formação especializada e que vão coordenar as atividades de apoio ao nível do primeiro ciclo, ao nível das unidades orgânicas", explicou Fabíola Cardoso.

Por outro lado, o executivo regional pretende diversificar a "oferta formativa de caráter profissional e profissionalizante principalmente ao nível do 3.º ciclo e do secundário".

Ainda no próximo ano letivo, o Governo dos Açores vai alargar o programa de formação e acompanhamento pedagógico dos docentes à educação pré-escolar e ao segundo ciclo, nas disciplinas de português e matemática, estando ainda previstas ações de formação para dirigentes das escolas.

Para mobilizar a comunidade educativa e a sociedade em geral, a tutela vai promover ações junto dos alunos e dos pais e promover parcerias com autarquias e associações.

O conselho científico do Pró-Sucesso é liderado pelo ex-reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa, integrando ainda Roberto Carneiro, António Câmara, Ana Maria Bettencourt, Ermelindo Peixoto, Maria Amélia Campos e Suzete Câmara.

Além da maior taxa de abandono escolar precoce do país, também os resultados dos alunos das escolas dos Açores nos exames nacionais são, em média, os mais baixos a nível nacional.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.